Uber avança planos para serviço de táxi aéreo já em 2023

A empresa revelou, esta semana, o conceito de carro elétrico voador que deverá estar pronto a levantar voo em 2023. É uma nova era da mobilidade que se inicia com a intenção de chegar ao mercado de massas. E uma revolução também na rapidez de carregamento

A ideia de mobilidade elétrica é habitualmente pensada para transportes terrestres, mas a Uber está convencida de que se tornou impossível resolver os problemas das grandes cidades em terra. Trânsito, poluição, ineficiência e tempo perdido são problemas que a empresa quer ajudar a resolver com uma ideia revolucionária: mobilidade urbana aérea.

"As megacidades vão continuar a crescer e a capacidade de resolver este problema com infraestruturas é mínima", afirmou o CEO da Uber, Dara Khosrowshahi, no evento Uber Elevate, que decorreu esta semana em Los Angeles. "Precisamos de uma abordagem diferente", sublinhou, referindo-se ao plano ambicioso de fornecer serviços de táxi aéreo em 2023.

A estratégia passa por construir veículos de levantamento e pouso vertical, com capacidade para quatro passageiros, que irão voar a baixa altitude entre portos aéreos nas cidades. Estes "carros voadores" estão a ser designados tecnicamente como eVTOL e serão 100% elétricos. A Uber criou a nova divisão Elevate para desenvolver o modelo de negócio do futuro UberAir e está a adicionar parceiros a todos os níveis para concretizar esta visão. Os primeiros testes serão feitos dentro de ano e meio em LA e Dallas.

"Estamos a desenhar isto não como um serviço para uma minoria, mas algo que estará disponível para o mercado de massas", disse o executivo. Tal implica que a Uber perca dinheiro na fase inicial, porque terá de recrutar pilotos até conseguir que os eVTOL sejam autónomos. "É uma tecnologia incrível e necessária", declarou o CEO, falando do "sentido de missão" que a Uber tem com este projeto. Torná-lo realidade obriga ao envolvimento de raiz de reguladores do espaço aéreo, autoridades locais, construtoras aeronáuticas, ateliês de arquitetura e engenharia e parceiros de software. A Uber está a trabalhar em tudo isto em simultâneo, pelo que o evento reuniu cerca de mil executivos da indústria. A empresa usou este palco para revelar o protótipo eCRM 003, um desenho de referência com requisitos que os parceiros aeronáuticos terão de cumprir para fornecer veículos à frota UberAir. Três desses parceiros, a brasileira Embraer, a Pipistrel e a Karem Aircraft mostraram as suas versões de eVTOL durante o evento.

Além dos desafios que a construção destes aparelhos acarreta, o facto de serem elétricos implica uma infraestrutura de carregamento e bateria nunca vista. A Uber escolheu a ChargePoint como parceira exclusiva para esta área, e o que a empresa apresentou no Elevate foi o protótipo de um conector que poderá ser o standard da indústria e permitir o carregamento dos eVTOL em 15 minutos. A intenção, segundo o diretor de estratégia Simon Lonsdale, é usá-lo também em camiões elétricos, o que lhes dará volume e experiência.

"Há razões técnicas e de negócio para standardizar este novo conector para grandes capacidades energéticas", disse. "Isso levará a melhor performance de preço, maior fiabilidade, mais abertura na indústria." Já este ano, a ChargePoint quer expandir-se para a Europa do Sul com o seu portfólio virado para os carros elétricos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.