Twitter vai cortar 9% dos postos de trabalho

O Twitter pretende cortar nos seus trabalhadores para conseguir rentabilidade em 2017

A rede social norte-americana Twitter anunciou esta quinta-feira que vai suprimir 9% da sua força laboral a nível mundial, no âmbito dos esforços para se tornar rentável em 2017.

A reestruturação "vai concentrar-se na reorganização das equipas de venda, parcerias e 'marketing'", indicou em comunicado o grupo, que nunca conseguiu lucro líquido desde a sua criação há 10 anos.

Atualmente o Twitter emprega 3860 pessoas em todo o mundo.

"Devemos tornar-nos mais rigorosos na forma como investimos nas nossas atividades e fixámos como objetivo conseguir rentabilidade em 2017", afirmou o diretor financeiro, Anthony Noto, citado no comunicado.

"Pretendemos investir plenamente nas prioridades absolutas, dando prioridade mais baixa a determinadas iniciativas e simplificando a forma como operamos noutros setores", acrescentou, sem especificar as iniciativas em causa.

No terceiro trimestre, o volume de negócios do grupo avançou 8% para 616 milhões de dólares (563 milhões de euros), um número acima das previsões dos analistas (606 milhões de dólares), indicou a empresa.

O grupo reduziu as perdas para 103 milhões de dólares, face aos 132 milhões registados há um ano.

Na bolsa de Nova Iorque, os títulos da empresa subiam 3,99% nas transações eletrónicas feitas no período que antecede a abertura da sessão oficial.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.