Tripulantes de cabine da Ryanair vão fazer greve em Portugal este verão

As datas da paralisação vão ser anunciadas esta quinta-feira

Os tripulantes de cabine da Ryanair vão fazer greve em Portugal, Espanha, Itália e Bélgica este verão. As datas para a ação de protesto vão ser anunciadas esta quinta-feira, revelou um representante do sindicato espanhol, citado pela Reuters, depois de as autoridades italianas terem dado a sua aprovação.

Antonio Escobar, da estrutura sindical espanhola SITCPLA, afirmou que é possível que outros países possam aderir a esta paralisação europeia da companhia área de baixo custo. A notícia surge um dia depois de os pilotos da Ryanair da Irlanda terem anunciado uma greve de 24 horas para 12 de julho.

Reinvindicam "salários dignos" e melhores condições de trabalho

Os representantes dos tripulantes de cabine das bases europeia e norte-africanas da Ryanair divulgaram uma lista com 34 exigências à empresa. Reinvindicam, por exemplo, "salários dignos", melhores condições de trabalho e contratos laborais tendo em conta as lei do país onde operam e não da Irlanda, onde a empresa esta sediada.

Os Tripulantes de Cabine Unidos (CCU na sigla em inglês), que representam mais de cinco mil trabalhadores, avisaram que podem entrar em greve no final de julho ou no início de agosto.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Falem do futuro

O euro, o Erasmus, a paz. De cada vez que alguém quer defender a importância da Europa, aparece esta trilogia. Poder atravessar a fronteira sem trocar de moeda, ter a oportunidade de passar seis meses a estudar no estrangeiro (há muito que já não é só na União Europeia) e - para os que ainda se lembram de que houve guerras - a memória de que vivemos o mais longo período sem conflitos no continente europeu. Normalmente dizem isto e esperam que seja suficiente para que a plateia reconheça a maravilha da construção europeia e, caso não esteja já convertida, se renda ao projeto europeu. Se estes argumentos não chegam, conforme o país, invocam os fundos europeus e as autoestradas, a expansão do mercado interno ou a democracia. E pronto, já está.