Transportadoras alertam para "consequências terríveis" da subida dos combustíveis

Manifesto alerta para as repercussões "avassaladoras" do aumento dos combustíveis na economia nacional

Onze organizações do setor dos transportes e logística alertaram hoje, num manifesto conjunto, para as "consequências terríveis" do aumento do imposto sobre os combustíveis para a competitividade das empresas e para as exportações, apelando a um recuo nesta decisão.

O aumento de seis cêntimos por litro nos produtos petrolíferos consagrado no Orçamento do Estado para 2016 "constitui uma sobrecarga desproporcional" com repercussões "avassaladoras" na economia nacional, em particular nas empresas exportadoras, criticam as associações signatárias do documento.

O manifesto é assinado pela ANTROP (Associação Nacional de Transportadores Rodoviários de Pesados de Passageiros), CCP (Confederação do Comércio e Serviços de Portugal), ANTRAM (Associação Nacional de Transportadores Públicos Rodoviários de Mercadorias), ANTP (Associação Nacional das Transportadoras Portuguesas), CPC (Conselho Português de Carregadores), APAT (Associação dos Transitários de Portugal), ANTRAL (Associação Nacional dos Transportadores Rodoviário em Automóveis Ligeiros), APOL (Associação Portuguesa de Operadores Logísticos, ANECRA (Associação Nacional das Empresas do Comércio e da Reparação Automóvel), ARP (Associação Rodoviária de Transportadores Pesados de Passageiros) e ARAN (Associação Nacional do Ramo Automóvel).

As associações sublinham que o combustível é um dos principais custos de produção das empresas de transporte pelo que o acréscimo irá afetar a sua "sustentabilidade" e diminuir as "suas capacidades competitivas face à envolvente europeia".

Alertam, por outro lado, para o facto de não estar previsto no Orçamento nenhum mecanismo de correção/inversão da medida caso se registe um aumento da cotação do petróleo.

"Caso tal aconteça, o descalabro será incomensurável", referem no documento, pedindo ao Governo que reveja a sua posição e consagre medidas de diferenciação positiva entre o transporte profissional e o particular.

Os signatários terminam o manifesto declarando que não vão assistir imóveis "a este enorme ataque à capacidade das empresas subsistirem" e prometendo lutar "por todos os meios legítimos pela sua sobrevivência".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.

Premium

João Taborda da Gama

Por que não votam os açorianos?

Nesta semana, os portugueses, a ciência política em geral, e até o mundo no global, foram presenteados com duas ideias revolucionárias. A primeira, da lavra de Rui Rio, foi a de que o número de deputados do Parlamento fosse móvel tendo em conta os votos brancos e nulos. Mais brancos e nulos, menos deputados, uma versão estica-encolhe do método de Hondt. É a mesma ideia dos lugares vazios para brancos e nulos, que alguns populistas defendem para a abstenção. Mas são lugares vazios na mesma, medida em que, vingando a ideia, havia menos pessoas na sala, a não ser que se fizesse no hemiciclo o que se está a fazer com as cadeiras dos comboios da ponte, ou então que nestes anos com mais brancos e nulos, portanto menos deputados, se passasse a reunir na sala do Senado, que é mais pequenina, mais maneirinha. A ideia é absurda. Mas a esquerda não quis ficar para trás neste concurso de ideias eleitorais e, pela voz do presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro, chega-nos a ideia de incentivar votos com dinheiro.