Transportadoras exigem redução de 20 cêntimos no preço do gasóleo

Esta é a principal exigência da Associação Nacional de Transportadores Rodoviários de Mercadorias e da Associação Nacional das Transportadoras Portuguesas

As duas associações que representam o setor dos transportadores de mercadorias decidiram hoje apresentar na próxima semana um pacote de medidas ao Governo, exigindo a redução de 20 cêntimos no preço do gasóleo.

O gasóleo "20 cêntimos mais barato" é a principal exigência da Associação Nacional de Transportadores Rodoviários de Mercadorias (ANTRAM) e da Associação Nacional das Transportadoras Portuguesas (ANTP), que reuniram hoje em Pombal, distrito de Leiria, num encontro que pretendia definir ações em defesa do setor, na sequência do aumento do Imposto sobre Produtos Petrolíferos (ISP).

O presidente da ANTRAM, Paulo Duarte, que falava aos jornalistas a meio da reunião na condição de porta-voz das duas associações, defendeu uma equiparação do preço do gasóleo àquele que é praticado em Espanha, sendo para tal necessária uma redução de 20 cêntimos.

Segundo o dirigente, se "em Espanha são competitivos" em relação ao preço do gasóleo, essa competitividade também deve ser possível de se alcançar em Portugal, recordando ainda que o atual preço do gasóleo leva a que as transportadoras optem por abastecer em Espanha.

"Queremos ser competitivos no setor de que Portugal tão precisa, que é o setor das exportações", bem como na circulação de produtos no mercado interno, vincou.

Numa reunião realizada à porta fechada e em que "os ânimos não estão calmos", já se chegou à decisão de se entregar um documento com "pelo menos seis medidas" ao Governo no início da próxima semana, informou Paulo Duarte.

As duas associações irão esperar por "uma resposta concreta na semana seguinte" e, mediante a resposta do Governo, poderão tomar "outro tipo de medidas e de luta", disse, sem querer adiantar que outras ações poderão tomar.

Paulo Duarte optou por não divulgar as medidas inscritas nesse documento à exceção da exigência de redução do preço do combustível, mas afirmou que o pacote de propostas é "verdadeiramente exequível" e que podem tocar na "redução de custos de contexto", entre outras áreas.

Segundo o presidente da ANTRAM, foi "muito difícil" convencer os representantes das transportadoras reunidos em Pombal em avançar para a entrega deste pacote de medidas, porque "há muitos anos" que o setor apresenta propostas, mas "a recetividade não tem sido a melhor".

A proposta do Orçamento do Estado para 2016 determina o aumento do Imposto sobre Produtos Petrolíferos (ISP) em seis cêntimos por litro na gasolina sem chumbo e no gasóleo rodoviário e três cêntimos por litro no imposto aplicável ao gasóleo colorido e marcado (gasóleo verde ou agrícola).

Com esta medida, o Governo pretende arrecadar mais 360 milhões de euros e, assim, compensar a descida das cotações do petróleo nos mercados internacionais, que levou a uma perda de receitas para o Estado.

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Os deuses das moscas

Com a idade, tendemos a olhar para o passado em jeito de balanço; mas, curiosamente, arrependemo-nos sobretudo do que não fizemos nem vamos já a tempo de fazer. Cá em casa, tentamos, mesmo assim, combater o vazio mostrando um ao outro o que foi a nossa vida antes de estarmos juntos e revisitando os lugares que nos marcaram. Já fomos, por exemplo, a Macieira de Cambra em busca de uma rapariga com quem o Manel dançara um Verão inteiro (e encontrámo-la, mas era tudo menos uma rapariga); e, mais recentemente, por causa de um casamento no Gerês, fizemos um desvio para eu ir ver o hotel das termas onde ele passava férias com os avós quando era adolescente. Ainda hoje o Manel me fala com saudade daqueles julhos pachorrentos, entre passeios ao rio Homem e jogos de cartas numa varanda larga onde as senhoras inventavam napperons e mexericos, enquanto os maridos, de barrigas fartas de tripas e francesinhas no ano inteiro, tratavam dos intestinos com as águas milagrosas de Caldelas. Nas redondezas, havia, ao que parece, uma imensidão de campos; e, por causa das vacas que ali pastavam, os hóspedes não conseguiam dar descanso aos mata-moscas, ameaçados pelas ferradelas das danadas que, não bastando zumbirem irritantemente, ainda tinham o hábito de pousar onde se sabe.