Transportadoras exigem redução de 20 cêntimos no preço do gasóleo

Esta é a principal exigência da Associação Nacional de Transportadores Rodoviários de Mercadorias e da Associação Nacional das Transportadoras Portuguesas

As duas associações que representam o setor dos transportadores de mercadorias decidiram hoje apresentar na próxima semana um pacote de medidas ao Governo, exigindo a redução de 20 cêntimos no preço do gasóleo.

O gasóleo "20 cêntimos mais barato" é a principal exigência da Associação Nacional de Transportadores Rodoviários de Mercadorias (ANTRAM) e da Associação Nacional das Transportadoras Portuguesas (ANTP), que reuniram hoje em Pombal, distrito de Leiria, num encontro que pretendia definir ações em defesa do setor, na sequência do aumento do Imposto sobre Produtos Petrolíferos (ISP).

O presidente da ANTRAM, Paulo Duarte, que falava aos jornalistas a meio da reunião na condição de porta-voz das duas associações, defendeu uma equiparação do preço do gasóleo àquele que é praticado em Espanha, sendo para tal necessária uma redução de 20 cêntimos.

Segundo o dirigente, se "em Espanha são competitivos" em relação ao preço do gasóleo, essa competitividade também deve ser possível de se alcançar em Portugal, recordando ainda que o atual preço do gasóleo leva a que as transportadoras optem por abastecer em Espanha.

"Queremos ser competitivos no setor de que Portugal tão precisa, que é o setor das exportações", bem como na circulação de produtos no mercado interno, vincou.

Numa reunião realizada à porta fechada e em que "os ânimos não estão calmos", já se chegou à decisão de se entregar um documento com "pelo menos seis medidas" ao Governo no início da próxima semana, informou Paulo Duarte.

As duas associações irão esperar por "uma resposta concreta na semana seguinte" e, mediante a resposta do Governo, poderão tomar "outro tipo de medidas e de luta", disse, sem querer adiantar que outras ações poderão tomar.

Paulo Duarte optou por não divulgar as medidas inscritas nesse documento à exceção da exigência de redução do preço do combustível, mas afirmou que o pacote de propostas é "verdadeiramente exequível" e que podem tocar na "redução de custos de contexto", entre outras áreas.

Segundo o presidente da ANTRAM, foi "muito difícil" convencer os representantes das transportadoras reunidos em Pombal em avançar para a entrega deste pacote de medidas, porque "há muitos anos" que o setor apresenta propostas, mas "a recetividade não tem sido a melhor".

A proposta do Orçamento do Estado para 2016 determina o aumento do Imposto sobre Produtos Petrolíferos (ISP) em seis cêntimos por litro na gasolina sem chumbo e no gasóleo rodoviário e três cêntimos por litro no imposto aplicável ao gasóleo colorido e marcado (gasóleo verde ou agrícola).

Com esta medida, o Governo pretende arrecadar mais 360 milhões de euros e, assim, compensar a descida das cotações do petróleo nos mercados internacionais, que levou a uma perda de receitas para o Estado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.