Trabalhadores por conta própria são 16,9% da população empregada

Quase dois terços indicaram ser os próprios quem decide o horário de trabalho diário

O número de trabalhadores por conta própria em Portugal era de 806,2 mil no segundo trimestre, o que corresponde a 16,9% da população empregada total, divulgou hoje o Instituto Nacional de Estatística (INE).

Daqueles, 27,5% exerciam a sua atividade com pessoas ao serviço (como empregadores) e 72,5% faziam-no sem pessoas ao serviço (como isolados).

De acordo com os resultados do módulo 'ad hoc' de 2017 do Inquérito ao Emprego, mais de metade (53%) declaram ter tido 10 ou mais clientes, em que nenhum deles tinha posição dominante.

Quase dois terços (63,7%) indicaram ser os próprios quem decide o horário de trabalho diário.

Um terço (33,6%) apontaram como principais razões para serem trabalhadores por conta própria ter aparecido uma boa oportunidade e dar continuidade ou trabalhar num negócio familiar.

Entre as principais dificuldades sentidas no exercício da atividade económica, 29,5% referiram-se aos períodos sem trabalho e a existência de clientes que não pagam ou que pagam tarde.

Quase um terço (30,6%) trabalham com parceiros profissionais, acrescenta o INE.

Segundo o inquérito realizado, 57,5% não preveem empregar pessoas nem recorrer a subcontratações nos próximos 12 meses e têm níveis médios de satisfação no trabalho menores do que os trabalhadores por conta de outrem, mas maior autonomia profissional.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.