Trabalhadores por conta própria são 16,9% da população empregada

Quase dois terços indicaram ser os próprios quem decide o horário de trabalho diário

O número de trabalhadores por conta própria em Portugal era de 806,2 mil no segundo trimestre, o que corresponde a 16,9% da população empregada total, divulgou hoje o Instituto Nacional de Estatística (INE).

Daqueles, 27,5% exerciam a sua atividade com pessoas ao serviço (como empregadores) e 72,5% faziam-no sem pessoas ao serviço (como isolados).

De acordo com os resultados do módulo 'ad hoc' de 2017 do Inquérito ao Emprego, mais de metade (53%) declaram ter tido 10 ou mais clientes, em que nenhum deles tinha posição dominante.

Quase dois terços (63,7%) indicaram ser os próprios quem decide o horário de trabalho diário.

Um terço (33,6%) apontaram como principais razões para serem trabalhadores por conta própria ter aparecido uma boa oportunidade e dar continuidade ou trabalhar num negócio familiar.

Entre as principais dificuldades sentidas no exercício da atividade económica, 29,5% referiram-se aos períodos sem trabalho e a existência de clientes que não pagam ou que pagam tarde.

Quase um terço (30,6%) trabalham com parceiros profissionais, acrescenta o INE.

Segundo o inquérito realizado, 57,5% não preveem empregar pessoas nem recorrer a subcontratações nos próximos 12 meses e têm níveis médios de satisfação no trabalho menores do que os trabalhadores por conta de outrem, mas maior autonomia profissional.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.