Trabalhadores e Autoeuropa chegam a pré-acordo sobre horários de trabalho

A Comissão de Trabalhadores e a administração da Autoeuropa chegaram hoje a um pré-acordo sobre os horários de trabalho, que deverá ser sufragado pelos trabalhadores durante a próxima semana, disse hoje à agência Lusa fonte das negociações.

Segundo avançou à Lusa Fernando Gonçalves, coordenador da Comissão de Trabalhadores da Autoeuropa, o acordo prevê a implementação de dois tipos de horários distintos: um que irá vigorar de fevereiro a julho do próximo ano e outro que já inclui a laboração contínua da fábrica de automóveis de Palmela depois do habitual período de férias dos trabalhadores (em agosto).

O representante dos trabalhadores explicou que os funcionários vão rodar pelos três turnos (manhã, tarde e noite) semanalmente, em vez de permanecerem várias semanas em cada um destes turnos, conforme pretendia inicialmente a administração da Autoeuropa.

Fernando Gonçalves disse ainda que o acordo assinado hoje com a Autoeuropa foi subscrito pelos 11 elementos das diferentes listas que concorreram ao último ato eleitoral e que têm representantes na atual Comissão de Trabalhadores.

Em comunicado hoje divulgado, a Comissão de Trabalhadores adianta que "conseguiu garantir a distribuição do horário semanal de segunda a sexta-feira na fase de transição, a manutenção do trabalho extraordinário como tal, a rotação semanal entre turnos, menos sábados trabalhados, mais dias de descanso para os trabalhadores e prevê ainda para 2018 a contratação de cerca de mais 400 trabalhadores, de modo a ser possível a introdução da quarta equipa de trabalho".

O pré-acordo estabelece que "entre a semana 5 (fevereiro) e a semana 33 (agosto) será aplicado um modelo de trabalho transitório, que irá permitir a adaptação da fábrica ao modelo de laboração continua".

"Durante este período, a distribuição do horário semanal será de segunda-feira a sexta-feira", acrescenta o documento, que refere também um "plano extraordinário de trabalho a prestar ao sábado".

Os trabalhadores da Autoeuropa vão reunir-se em plenário na próxima quinta-feira para discutirem e esclarecerem eventuais dúvidas sobre o pré-acordo, após o que deverão pronunciar-se sobre o mesmo em referendo a realizar durante a próxima semana.

O pré-acordo negociado pela anterior Comissão de Trabalhadores liderada por Fernando Sequeira, que foi rejeitado por 74% dos funcionários, previa a laboração da fábrica seis dias por semana, incluindo sábados, com três turnos diários, uma folga fixa ao domingo e outra rotativa ao longo da semana.

A Autoeuropa estima produzir mais de 200.000 veículos Volkswagen T-Roc em 2018, quase triplicando a produção de 2016, o que levou a empresa a contratar cerca de 2.000 novos trabalhadores e a decidir a abertura de um sexto dia de produção aos sábados.

Esta solução não agradou aos trabalhadores que realizaram a primeira greve de sempre por razões laborais na fábrica de Palmela, no passado dia 30 de agosto, e esteve na origem da demissão da anterior Comissão de Trabalhadores.

Apesar das divergências entre trabalhadores e administração da Autoeuropa sobre o trabalho aos sábados, o atual coordenador da Comissão de Trabalhadores, Fernando Gonçalves, afirmou logo após a eleição que as partes iriam encontrar uma solução adequada para pôr termo ao conflito laboral na fábrica de automóveis de Palmela.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.