Trabalhadores dizem que Caixa "está a ser usada para objetivos de poder"

O Sindicato dos Trabalhadores da Caixa diz que a campanha que está a ser feita está "a afetar a imagem" do grupo financeiro

O Sindicato dos Trabalhadores das Empresas do grupo Caixa Geral de Depósitos (CGD) lamentou que o banco esteja a ser usado "para objetivos de poder", lembrando ser "um imperativo nacional" parar com a escalada de opiniões, comentários e especulações.

Numa carta aberta aos órgãos de poder político e à comunicação social, o sindicato afirma entender que é necessário pôr "um fim definitivo na campanha sobre a CGD, pelas evidentes e graves consequências que a mesma já provocou na imagem e credibilidade da instituição".

O sindicato considera ainda um "espetáculo lamentável" o que se passou na Assembleia da República na terça-feira, com "um partido a votar contra a recapitalização da CGD [o PSD] e outro a decidir abster-se sobre essa questão [CDS-PP]".

Esta posição "é bem reveladora da irresponsabilidade a que as coisas chegaram e destes 'aprendizes de feiticeiro'", que "primeiro as provocaram" e que "agora as estão a alimentar".

Para o sindicato, trata-se de "um crime o que estão a fazer à Caixa!".

A campanha que está a ser feita sobre a CGD, segundo o sindicato, está "a afetar a imagem" do grupo financeiro, a "provocar intranquilidade", nos clientes e nos trabalhadores, e a "prejudicar o seu funcionamento".

No domingo à noite, o Ministério das Finanças anunciou que o presidente do Conselho de Administração da CGD, António Domingues, apresentou a demissão do cargo, decisão em que foi acompanhado por mais seis administradores.

Nas últimas cinco semanas, foi motivo de polémica a recusa da entrega da declaração de rendimentos e património por parte daqueles responsáveis pelo banco público, bem como a eventualidade de Domingues estar na posse de informação privilegiada, enquanto funcionário do concorrente BPI, quando participou, como convidado, em três reuniões com a Comissão Europeia para debater a recapitalização da CGD.

Na terça-feira, por sua vez, a agência de notação financeira DBRS colocou os 'ratings' da CGD e das suas subsidiárias em revisão com "implicações negativas", devido ao aumento de vários riscos, entre os quais, ao nível da governação.

"A revisão dos 'ratings' reflete os crescentes riscos que o grupo está a enfrentar em relação às questões de 'corportate governance' [governação], à recapitalização planeada, e às dificuldades em melhorar a sua rentabilidade e a qualidade dos ativos", justificou a agência de 'rating' canadiana.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.