Investidores portugueses compram Toys "R" Us e mantêm lojas abertas em Portugal

Paulo Sousa Marques assume presidência ibérica

A cadeia de brinquedos Toys "R" Us vai continuar com as operações em Portugal e Espanha após a sua compra por investidores portugueses, contando com a presidência executiva de Paulo Sousa Marques, anunciou hoje a empresa em comunicado.

"A operação da Toys "R" Us Ibéria continuará em funcionamento e desenvolvimento em Espanha, após um processo de aquisição por investidores portugueses, a Green Swan, representada por Paulo Andrez", que se juntam à atual equipa de gestão, "como novos proprietários", refere a empresa.

"Este processo garante a continuidade do negócio da Toys "R" Us em Espanha e Portugal, mantendo-se em funcionamento todas as lojas e garantindo a manutenção dos postos de trabalho. Depois de alguma incerteza, derivada do encerramento do negócio em mercados como os Estados Unidos e Reino Unido, este processo, que contou com o apoio do Grupo Toys "R" Us e dos 'stakeholders' [partes interessadas] da Toys "R" Us Ibéria, afirma a sustentabilidade do negócio em Espanha e Portugal", acrescenta.

Paulo Sousa Marques será o novo presidente executivo da Toys "R" Us Ibéria, "dando assim continuidade aos sucessos desta marca histórica nos mercados de Espanha e Portugal".

No comunicado, o presidente executivo afirma: "Estamos muito confiantes e seguros do futuro desta empresa, com todo o capital humano existente e as suas competências, nos colaboradores e parceiros, e muito motivados para continuar a oferecer às famílias, aos seus bebés e crianças, as melhores ofertas de produtos, desde a puericultura, materiais pedagógicos e os de entretenimento".

A Toys "R" Us Iberia foi adquirida por uma sociedade portuguesa, a Green Swan, com 60% do capital, representada por Paulo Andrez, e pela equipa de gestão, com 40%, garantindo a continuidade e viabilidade da marca em Espanha e Portugal.

O até agora diretor-geral da Ibéria e França, Jean Charretteur, considerou que "este acordo é consequência do processo desenvolvido pela empresa desde março, que tinha como objetivo encontrar um investidor que trouxesse os recursos e ambição para assegurar, em linha com a implementação do plano de negócios, a viabilidade da Toys "R" Us em Espanha e Portugal".

Em setembro, será inaugurada uma nova loja em Madrid.

"Nas próximas semanas serão definidos os novos objetivos para a empresa em Espanha e Portugal, que conta atualmente com 61 lojas e lojas 'online' e 1.300 colaboradores, e partilhados, como habitual, com todas as equipas e parceiros históricos, garantindo ainda mais o futuro desta marca icónica, mantendo a sua filosofia de oferecer experiências únicas nas lojas, sejam elas físicas ou 'online', que mantêm a sua atividade com normalidade", refere.

Em 14 de março último, o grupo anunciou que iria encerrar todas as lojas no Reino Unido, deixando mais de três mil pessoas no desemprego. No dia seguinte, divulgou que vai proceder à liquidação do negócio nos Estados Unidos.

Coincidindo com aquele anúncio, a Toys "R" Us Iberia explicou que estudaria a viabilidade em Espanha e a possibilidade de vender o seu negócio no mercado espanhol, onde possui 53 lojas e 1.600 empregados.

A Toys "R" Us entrou em Portugal em 1993, com a abertura das lojas de Telheiras (Lisboa) e de Vila Nova de Gaia. Um ano depois inaugurou a unidade no Cascais Shopping e em 1997 em Braga e no Centro Comercial Colombo (Lisboa).

Em 2002 inaugurou duas lojas no Almada Fórum e no Aveiro Retail Park. Em 2012 chegou ao Freeport, em 2014 ao Mar Shopping, em 2016 abriu em Braga e, em 2017, inaugurou a loja em Guimarães, de acordo com dados da empresa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.