Toys "R" Us declara insolvência em Portugal

A decisão da empresa surge depois de anunciar o encerramento das lojas no Reino Unido e nos EUA

A Toys "R" Us entrou com um pedido de insolvência na Península Ibérica, onde o grupo detém as lojas em Portugal e em Espanha.

Iberia Real Estate, sociedade da Toys "R" Us Iberia detentora de parte dos imóveis do grupo em Espanha e Portugal, solicitou uma assembleia de credores no tribunal de Comércio de Madrid, informou hoje a empresa.

As restantes sociedades do Grupo Toys "R" Us Iberia mantêm a atividade com normalidade e iniciaram os processos necessários para procurar potenciais compradores do negócio na Península Ibérica, explica a empresa.

A solicitação de uma assembleia de credores desta empresa, que possui 26 imóveis, tem como objetivo, segundo o grupo, proteger os ativos imobiliários da cadeia de brinquedos.

Em Portugal, a cadeia de brinquedos tem 11 lojas

Num comunicado enviado posteriormente, a multinacional adianta que o pedido de declaração de insolvência dos credores "é o resultado da sua posição como garantia do financiamento emprestado ao grupo" por "diferentes fundos internacionais".

Reitera que as restantes empresas da Toys "R" Us Iberia continuam com as suas atividades e "iniciaram os procedimentos necessários para atrair as partes interessadas na aquisição do grupo em Espanha e Portugal".

Em Portugal, a cadeia de brinquedos tem 11 lojas.

O grupo anunciou que vai encerrar todas as lojas no Reino Unido, deixando mais de três mil pessoas no desemprego. No dia seguinte, divulgou que vai proceder à liquidação do negócio nos Estados Unidos

A Toys "R" Us Iberia Real Estate garante solidariamente o financiamento emprestado ao grupo por diferentes fundos internacionais.

Em 14 de março último, o grupo anunciou que vai encerrar todas as lojas no Reino Unido, deixando mais de três mil pessoas no desemprego. No dia seguinte, divulgou que vai proceder à liquidação do negócio nos Estados Unidos.

Coincidindo com aquele anúncio, a Toys "R" Us Iberia explicou que estudaria a viabilidade em Espanha e a possibilidade de vender o seu negócio no mercado espanhol, onde possui 53 lojas e 1.600 empregados.

"Estamos a trabalhar, em estreita colaboração com os nossos assessores, para alcançar medidas que nos permitam preservar a continuidade da nossa atividade em Espanha, bem como os interesses dos nossos colaboradores e empregados", afirmou naquela ocasião o diretor-geral da Toys "R" Us em Espaha e Portugal, Jean Charretteur.

Em setembro, a cadeia de brinquedos tinha cerca de 1.700 lojas em todo o mundo e, em 2016, gerou uma receita de 11.500 milhões (cerca de 9.590 milhões de euros)

A Toys "R" Us entrou em Portugal em 1993, com a abertura das lojas de Telheiras (Lisboa) e de Vila Nova de Gaia. Um ano depois inaugurou a unidade no Cascais Shopping e em 1997 em Braga e no Centro Comercial Colombo (Lisboa).

Em 2002 inaugurou duas lojas no Almada Fórum e no Aveiro Retail Park. Em 2012 chegou ao Freeport, em 2014 ao Mar Shopping, em 2016 abriu em Braga e, em 2017, abriu a loja em Guimarães, de acordo com dados da empresa.

Em setembro, a cadeia de brinquedos tinha cerca de 1.700 lojas em todo o mundo e, em 2016, gerou uma receita de 11.500 milhões (cerca de 9.590 milhões de euros).

A empresa foi criada em 1948 por Charles Lazarus, que aproveitou o 'baby boom' após a Segunda Guerra Mundial, e abriu o seu primeiro estabelecimento em Washington, sob o nome de Children's Bargain Town.

Em 1957, adotou o nome Toys "R" Us, com o qual entrou em Bolsa em 1978.

Em março de 2005, o consórcio formado pelas firmas Kohlberg Kravis Roberts, Bain Capital e Vornado Realty Trust chegou a um acordo para retirar a Toys "R" Us do mercado e comprá-la por 6.600 milhões de dólares.

Em 2013, abandonou os planos para regressar ao mercado.

Desde então, manteve um alto endividamento, o que limitou sua capacidade de investir em planos de crescimento, incluindo o desenvolvimento do seu canal 'online'.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.