Tesouro melhora perfil da dívida dias antes da Fitch

Estado está a aproveitar o final do ano para baixar custo médio e estender prazos

O Tesouro está a aproveitar as condições favoráveis do mercado para fazer operações de gestão da dívida, de forma a melhorar o perfil de refinanciamento. Além de ter acelerado os reembolsos antecipados ao Fundo Monetário Internacional (FMI), a Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública (IGCP) concluiu ontem uma operação de troca de obrigações. Recomprou mais de mil milhões de euros em títulos que venciam em 2019 e 2020 e trocou-os por novas obrigações com maturidade em 2022 e 2027.

"O Estado consegue estender o prazo da dívida, num momento em que as taxas de juro estão historicamente baixas", disse o diretor da gestão de ativos do Banco Carregosa, Filipe Silva. Acrescenta que "o juro que se ficará a pagar pela dívida nova é inferior ao juro médio da dívida portuguesa", o que poderá permitir poupanças com o fardo da dívida. Esta operação surge depois de Portugal ter reembolsado mais 2,78 mil milhões de euros ao FMI em novembro, mês em que fechou o objetivo do valor a ir buscar aos mercados em dívida de médio e longo prazo.

E se aquele valor já era mais elevado do que o inicialmente previsto, os pagamentos antecipados ao fundo vão acelerar ainda mais. O governo conta amortizar mais 500 milhões de euros até final do ano. Estas operações para baixar o custo e estender os prazos da dívida, de forma a diminuir o risco de refinanciamento, são um dos elementos analisados pelos investidores e pelas agências de rating. E surgem poucos dias antes de a Fitch se manifestar sobre Portugal. A agência tem a notação a um passo de sair de lixo e pronuncia-se sobre o país no dia 15 deste mês.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.