Tesla. Robyn Denholm substitui Elon Musk na presidência

O regulador da bolsa americana acusou Elon Musk de fraude

Robyn Denholm, da australiana Telstra, será a próxima presidente do conselho de administração da Tesla, e vai substituir Elon Musk, afastado do cargo devido a uma investigação da Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos.

Denholm, diretora financeira da empresa de telecomunicações australiana Telstra Corp (TLS.AU), é membro do conselho de administração da Tesla desde 2014, embora tenha menos ligações a Musk do que outros executivos da empresa de veículos elétricos, segundo avançou a agência espanhola Efe.

Entretanto, a Telstra informou que Robyn Denholm abandonará o seu cargo na empresa nos próximos meses.

Elon Musk concluiu em setembro um acordo com o regulador da bolsa americana, que o acusou de fraude, que implicava deixar por três anos o cargo que ocupava na Tesla.

O acordo implicava também o pagamento de 40 milhões de dólares de coima (quase 35 milhões de euros), na sequência de uma acusação do regulador por violação das regras face aos investidores.

A autoridade bolsista dos EUA tinha pedido a um tribunal federal para destituir Elon Musk da presidência e gestão da Tesla, acusando-o de fraude por declarações falsas sobre a retirada da empresa da bolsa.

Leia mais em Dinheiro Vivo

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.

Premium

Opinião

Angola, o renascimento de uma nação

A guerra do Kosovo foi das raras seguras para os jornalistas. Os do poder, os kosovares sérvios, não queriam acirrar ainda mais a má vontade insana que a outra Europa e a América tinham contra eles, e os rebeldes, os kosovares muçulmanos, viam nas notícias internacionais o seu abono de família. Um dia, 1998, 1999, não sei ao certo, eu e o fotógrafo Luís Vasconcelos íamos de carro por um vale ladeado, à direita, por colinas - de Mitrovica para Pec, perto da fronteira com o Montenegro. E foi então que vi a esteira de sucessivos fumos, adiantados a nós, numa estrada paralela que parecia haver nas colinas.