Terrorismo, clima e as novas medidas do crescimento em debate em Davos

O World Economic Forum começa quarta-feira e só quatro portugueses marcam presença na reunião de topo: Durão Barroso, Ângelo Paupério (pela Sonae), Pedro Soares dos Santos e Henrique Soares Santos (presidente e administrador da Jerónimo Martins).

O que leva Leonardo Di Caprio, o rosto dos BlackEyed Peas, will.i.am e a atriz chinesa Yao Chen à mais luxuosa estância de ski da Europa? Não é a oportunidade de fazer pistas pretas ao lado do Príncipe Carlos de Inglaterra. Os três vão participar na reunião anual de líderes mundiais em Davos, na Suíça, não pelos seus dotes artísticos mas pelo seu contributo em áreas de grande relevância.

O ator principal de The Revenant tem sido uma das caras mais relevantes no combate às alterações climáticas; a atriz chinesa destaca-se pelo seu trabalho na crise dos refugiados e o músico pelos esforços empreendidos no campo da educação dos mais pobres. A sua presença em Davos, entre os dias 20 e 23 de janeiro, servirá para ajudar a chamar a atenção para estas questões.

A Quarta Revolução Industrial é o tema que vai servir de chapéu a mais uma edição do exclusivo clube que anualmente junta os chefes de Estado do G20, banqueiros, economistas, empresários e gestores de topo na Suíça para debater os temas que marcam a atualidade mundial. Mas em destaque vão estar três temas que mudaram o mundo como o conhecemos: o terrorismo, as alterações climáticas e a nova ordem económica mundial.

Num encontro em que o custo por pessoa ultrapassa os 40 mil dólares e onde se juntam algumas das pessoas mais importantes do mundo, a segurança é absolutamente apertada - os níveis de acesso são distintos para os diferentes participantes, a chegada, reuniões e alojamento são vigiados 24 horas por dia por mais de 5 mil soldados que vão patrulhar a estância de ski durante a semana. No ano passado, os custos de segurança ultrapassaram os 7 milhões de euros. E é natural que este ano haja um reforço das forças de segurança.

Segurança, terrorismo e a crise dos refugiados

Desde o ataque ao Charlie Hebdo, em janeiro de 2015, a Europa foi obrigada a olhar seriamente para as questões de segurança e a alterar prioridades. Com os atentados que se seguiram, e que afetaram sobretudo França - onde morreram mais de 150 pessoas em quatro ataques num ano, o último dos quais o mais sangrento, levado a cabo num café, numa sala de espetáculos e à porta de um estádio, em Paris, em simultâneo - mas tiveram importantes consequências também para o resto da Europa, o terrorismo passou a estar no centro das preocupações políticas.

Depois dos ataques mais mortais que a Europa sofreu desde o atentado no Metro de Madrid, em 2004, chefes de Estado como François Hollande e Angela Merkel declararam guerra ao Estado Islâmico, tornaram o terrorismo na sua prioridade absoluta, mas não conseguiram evitar que ganhassem força os movimentos extremistas por toda a Europa. Nem que a entrada dos milhares de refugiados que chegaram, fugidos da guerra na Síria e dos países onde o Estado Islâmico ganha força, fosse vista como uma ameaça.

Como podem as sociedades preparar-se para as rápidas e radicais mudanças que estamos a viver na segurança? De que forma as novas tecnologias dificultam o combate ao terrorismo? Que intervenção deve ser feita para suavizar os desequilíbrios entre economias estagnadas e países prósperos para evitar a radicalização? Estas e outras questões de segurança mundial serão discutidas este ano em Davos. O equilíbrio entre o combate sério ao terrorismo e como lidar com a crise dos refugiados será levado ao palco do World Economic Forum, com um debate que juntará os chefes de Estado e do governo do Iraque, da Tunísia, do Mali, do Afeganistão, do Líbano e do Paquistão a Federica Mogherini (comissária europeia para os Negócios Estrangeiros e Políticas de Segurança) e à rainha Rania da Jordânia.

China, petróleo e investimentos

Com mais um ano de crescimento económico mundial esperado na ordem dos 4% e a Europa a avançar ainda debilmente e sem conseguir fazer subir a inflação, Mario Draghi (presidente do BCE), Jim Yong Kim (presidente do Banco Mundial), Christine Lagarde (diretora-geral do FMI) e os governadores de bancos centrais de países como Inglaterra, França, Índia, Japão ou Rússia vão sentar-se para encontrar caminhos para um crescimento sustentável. Um percurso que terá de ser feito num mundo em que o preço do petróleo está em queda livre, as moedas (incluindo o euro e o dólar, mas também o franco suíço, por exemplo) estão particularmente fracas e o arrefecimento da China é o bater de asas que provocou um furacão no resto do mundo, fazendo abanar as bolsas mundiais, afetando bancos e obrigando a repensar investimentos.

Os desafios do clima

Depois do acordo histórico conseguido em Paris no final do ano passado, a COP21 vai voltar a estar na ordem do dia. Para levar o tema a Davos foram convidados Laurent Fabius (ministro dos Negócios Estrangeiros de França e comissário do país na Conferência do Clima), Cristiana Figueres (delegada das Nações Unidas para questões do clima e que também teve um papel de imenso relevo na COP21) e o ex-vice-presidente dos EUA, Al Gore. A esperança alimentada pelo primeiro acordo assinado por todos os países e os desafios que agora se lançam quer a nível tecnológico quer a países como a China e a Índia, que terão de mudar estruturalmente a sua economia para corresponder ao que acordaram, terão particular relevo na reunião de topo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Dispensar o real

A minha mãe levou muito a sério aquele slogan dos anos 1970 que há quem atribua a Alexandre O'Neill - "Há sempre um Portugal desconhecido que espera por si" - e todos os domingos nos metia no carro para conhecermos o país, visitando igrejas, monumentos, jardins e museus e brindando-nos no final com um lanche em que provávamos a doçaria típica da região (cavacas nas Caldas, pastéis em Tentúgal). Conheci Santarém muito antes de ser a "Capital do Gótico" e a Capela dos Ossos foi o meu primeiro filme de terror.

Premium

Adriano Moreira

Entre a arrogância e o risco

Quando foi assinada a paz, pondo fim à guerra de 1914-1918, consta que um general do Estado-Maior Alemão terá dito que não se tratava de um tratado de paz mas sim de um armistício para 20 anos. Dito ou criado pelo comentarismo que rodeia sempre acontecimentos desta natureza, o facto é que 20 anos depois tivemos a guerra de 1939-1945. O infeliz Stefan Zweig, que pareceu antever a crise de que o Brasil parece decidido a ensaiar um remédio mal explicado para aquela em que se encontra, escreveu no seu diário, em 3 de setembro de 1939, que a nova guerra seria "mil vezes pior do que em 1914".