Teodora Cardoso: É um erro descer impostos à boleia da redução do défice

O Conselho de Finanças Pública considera que seria um erro começar a descer impostos e a aumentar receita apenas porque o défice está controlado.

O Conselho de Finanças Públicas melhorou as suas previsões sobre a redução do défice em 2017, projetando agora que o desequilíbrio orçamental fique em 1,4% - abaixo dos 1,5% projetado pelo governo em abril no Programa de Estabilidade. E estima que a economia cresça 2,7%.

Leia mais em Dinheiro Vivo a sua marca de economia

Ler mais

Exclusivos

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro: "O outro e o mesmo"

No tempo em que se punha pimenta na língua dos meninos que diziam asneiras, estudar Gil Vicente era uma lufada de ar fresco: ultrapassados os obstáculos iniciais daquela língua com borrifos de castelhano, sabia bem poder ler em voz alta numa aula coisas como "caganeira" e soltar outras tantas inconveniências pela voz das personagens. Foi, aliás, com o mestre do teatro em Portugal que aprendi a vestir a pele do outro: ao interpretar numa peça da escola uma das suas alcoviteiras, eu - que detesto arranjinhos, leva-e-traz e coscuvilhice - tive de esquecer tudo isso para emprestar credibilidade à minha Lianor Vaz. E talvez um bom actor seja justamente o que consegue despir-se de si mesmo e transformar-se, se necessário, no seu avesso. Na época que me coube viver, tive, aliás, o privilégio de assistir ao desempenho de actores geniais que souberam sempre ser outros (e o outro) a cada nova personagem.