Tempestade nas bolsas devido a receios sobre crescimento económico

O presidente dos EUA tem criticado a política de subida de taxas de juro da FED por poder prejudicar o crescimento da economia.

As bolsas estão sob forte pressão vendedora esta terça-feira devido ao aumento dos receios de uma deterioração do crescimento económico e nível global e em vésperas da provável quarta subida de taxas de juro nos EUA, em 2018.

Os mercados acionistas mundiais caminham para ter o pior ano desde 2008, quando se registou a crise financeira. O índice MCSI World desvaloriza 9% desde o início de 2018, superando a queda de 7,6% sofrida em 2011. Na Europa, o índice Stoxx 600 desliza 11,9% desde janeiro, uma queda maior do que a de 11,3% registada em 2011, quando se deu a crise de dívida na zona euro, de acordo com dados da Reuters.

As ações europeias estão próximas do mínimo de dois anos e Wall Street desceu ontem ao mínimo de 14 meses. Também as bolsas asiáticas sofreram quedas. O comité de política monetária da FED inicia esta terça-feira, em Washington, uma reunião de dois dias. Os futuros das taxas de juro indicam que há mais de 70% de hipóteses de sair da reunião uma quarta subida das taxas de juro este ano, segundo dados da Bloomberg.

O presidente dos EUA tem criticado a política de subida de taxas de juro da FED por poder prejudicar o crescimento da economia. Em vésperas de uma nova decisão do banco central, Donald Trump lembrou que o dólar está muito forte e que não há inflação. O presidente pediu à FED que aceite o crescimento económico. "É incrível que com um dólar muito forte e virtualmente nenhuma inflação, o mundo a explodir à nossa volta, Paris a arder e a China em baixo, a FED está mesmo a considerar outra subida da taxa de juro. Aceite a Vitória!", escreveu Donald Trump na sua conta do Twitter.

Leia mais em Dinheiro Vivo a sua marca de economia

Exclusivos