TAP vende 51% da Lojas Francas de Portugal à Vinci

Negócio deverá ficar fechado no primeiro trimestre de 2017

A TAP, a Vinci e a Dufry chegaram a acordo quanto à venda pela companhia aérea dos seus 51% da Lojas Francas de Portugal à Vinci, mantendo a Dufry a sua participação de 49%, segundo um comunicado.

O documento explica que a concessão por parte da ANA Aeroportos de Portugal (detida pela Vinci) das licenças da Lojas Francas de Portugal (LFP) pode ser rescindida em 2017 e adianta que as três empresas "alcançaram um acordo para a realização de um negócio que envolve a venda da LFP".

O negócio deverá ficar fechado no primeiro trimestre de 2017, mas a concretização das negociações está ainda sujeita a um processo de 'due diligence' (processo de investigação de uma oportunidade de negócio) que agora se abre e à aprovação por parte das autoridades da concorrência.

Segundo o comunicado, o acordo "reforça os negócios da LFP e protege os seus interesses", assim como "o dos seus trabalhadores", prosseguindo a LFP a sua relação comercial com a TAP.

Quanto aos contratos de concessão para exploração das lojas 'duty-free' e outras operadas sob a marca Nuance, pertencente ao Dufry Group, não haverá alterações respeitantes à continuação da operação.

Fundada em 1995, a LFP é a retalhista líder em Portugal nas vendas em aeroportos e a bordo de aeronaves.

A empresa está presente em cinco aeroportos (Lisboa, Porto, Faro, Madeira e Açores), com 29 lojas e também serve o programa de vendas a bordo da TAP.

A LFP emprega cerca de 400 trabalhadores.

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.