TAP: "Questão dos odores a bordo é temporária e não é nociva"

Antonoaldo Neves sublinhou que a questão dos odores nos novos aviões é temporária mas não é nociva. Contudo, ainda não há explicação para os enjoos.

Antonoaldo Neves, CEO da TAP, esteve esta quinta-feira no Parlamento onde abordou a questão dos odores e dos enjoos reportados pelas tripulações nos novos aviões adquiridos pela empresa, os A330-900.

A TAP conta já com 10 aeronaves desta gama, enquanto a concorrência tem seis. Salientando que a transportadora portuguesa tem sido a única a reportar problemas ao nível de odores, explicou que estes cheiros estão associados à entrada de ar nos motores. A TAP está a acompanhar a situação e defende que, à medida que as aeronaves fazem mais voos, os odores vão diminuindo.

Deixou ainda claro que a companhia "nunca colocaria passageiros e trabalhadores em risco" e garantiu que têm "centenas de páginas técnicas, que foram entregues aos sindicatos e à ANAC" e que nos foram fornecidas pela Airbus, fabricante destas aeronaves.

Deixou ainda claro que a companhia "nunca colocaria passageiros e trabalhadores em risco" e garantiu que têm "centenas de páginas técnicas, que foram entregues aos sindicatos e à ANAC" e que nos foram fornecidas pela Airbus, fabricante destas aeronaves.

"Estamos seguros que a questão dos odores a bordo é temporária, não é nociva" para as pessoas, disse.

Quanto à questão dos enjoos, reportados igualmente pelas tripulações, Antonoaldo Neves afirmou que "são um mistério. Não conseguimos identificar" as causas que levam ao mau estar. Tal como na questão dos odores, a fabricante dos aviões está a acompanhar a situação, havendo mesmo técnicos da empresa a realizar voos na TAP para tentarem encontrar a raiz do problema.

"Consideramos a aeronave segura, sem problemas. Está a voar bem. Os motores estão a ir muito bem e estamos muito satisfeitos com os resultados. Vamos continuar a dar apoio a todos os trabalhadores porque é um assunto sério", rematou.

Ana Laranjeiro é jornalista do Dinheiro Vivo

Exclusivos

Premium

Líderes europeus

As divisões da Europa 30 anos após o fim da Cortina de Ferro

Angela Merkel reuniu-se com Viktor Orbán, Emmanuel Macron com Vladimir Putin. Nos próximos dias, um e outro receberão Boris Johnson. E Matteo Salvini tenta assalto ao poder, enquanto alimenta a crise do navio da ONG Open Arms, com 107 migrantes a bordo, com a Espanha de Pedro Sánchez. No meio disto tudo prepara-se a cimeira do G7 em Biarritz. E assinala-se os 30 anos do princípio do fim da Cortina de Ferro.