TAP negoceia fim das 'borlas' ao governo

Companhia aérea e o Ministério das Infraestruturas estão a estudar solução que pode passar por tarifas especiais ou pacotes de desconto.

A TAP vai deixar de oferecer viagens aos membros do governo ou proceder ao upgrade de bilhetes para executiva e está a estudar uma solução que passe por tarifas especiais ou pacotes de desconto, notícia esta quinta-feira o Jornal de Negócios.

"A TAP está a trabalhar com o governo no estabelecimento de novas regras sobre as condições a aplicar nas viagens de servidores públicos, a adotar proximamente", disse fonte da companhia área (detida em 50% pelo Estado) ao jornal, sendo que o fim das "borlas" é um ponto assente.

O argumento da companhia aérea, liderada por Antonoaldo Neves, para proceder à renegociação das condições com o governo prende-se com o facto de esta ser uma empresa privada. Do lado do executivo, negociação está nas mãos do Ministério das Infraestruturas, de Pedro Marques.

É normal que os membros dos governos sejam dispensados do pagamento de bilhete nas deslocações oficiais na TAP, sendo que outros representantes, como diplomatas, beneficiam de upgrades para classe executiva, escreve o jornal.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Foi Centeno quem fez descer os juros?

Há dias a agência de notação Standard & Poor's (S&P) subiu o rating de Portugal, levando os juros sobre a dívida pública para os níveis mais baixos de sempre. No mesmo dia, o ministro das Finanças realçava o impacto que as melhorias do rating da República têm vindo a ter nas contas públicas nacionais. A reacção rápida de Centeno teve o propósito óbvio de associar a subida do rating e a descida dos juros às opções de finanças públicas do seu governo. Será justo fazê-lo?