TAP lamenta cancelamentos causados por "contingências imponderáveis"

Transportadora aérea registou mais de 50 cancelamentos entre as 20:00 de domingo e a manhã desta terça-feira nos aeroportos de Lisboa e do Porto

A transportadora aérea portuguesa TAP lamentou esta terça-feira os cancelamentos registados na segunda-feira à noite na Madeira e no Porto, enumerando "contingências imponderáveis", como mau tempo, obras e greve.

"A TAP lamenta os cancelamentos em causa, provocados por uma série de contingências imponderáveis, como foram o caso de um período de mau tempo no Porto, aliado a obras no aeroporto Sá Carneiro, que obrigaram ao encerramento do aeroporto durante a noite", ao que se juntaram "perturbações provocadas no tráfego aéreo pela greve em Marselha", segundo disse fonte oficial da empresa à Lusa.

Face a estas contingências houve "inevitáveis cancelamentos de voos, com a agravante de não ter sido possível alojar os passageiros por falta de quartos no Porto" dado ser um "período de férias" e estarem os hotéis lotados.

Os passageiros afetados estão a ser "transportados nos voos seguintes" e a empresa está "empenhada, como sempre, em encontrar as soluções adequadas para proteger e cuidar os seus clientes, cumprindo escrupulosamente todos os regulamentos e legislação nacionais e internacionais".

A TAP registou entre as 20:00 de domingo e esta manhã mais de 50 cancelamentos nos aeroportos de Lisboa e do Porto, tendo um sindicato contabilizado "mais de 70" no fim de semana na capital

Segundo a contagem feita pela agência Lusa, foram canceladas 20 chegadas e 14 partidas no Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, sobretudo de voos de e para o Porto, regiões autónomas, cidades europeias e também Marraquexe (Marrocos) e Rio de Janeiro (Brasil).

Já em relação ao Porto, houve 12 chegadas canceladas e sete partidas que não se efetuaram, sobretudo em relação a Lisboa, Madeira e cidades europeias.

Em declarações à Lusa, o coordenador do Sindicato dos Trabalhadores da Aviação e Aeroportos (Sitava), Fernando Henriques, informou hoje que no fim de semana a transportadora aérea teve "mais de 70 cancelamentos".

"Só no domingo estamos a falar de 40, ou seja, 10% da operação cancelada", garantiu.

O vice-presidente do Governo da Madeira, Pedro Calado, acusou hoje a TAP de "abandonar" os passageiros em situações de cancelamento de voos por razões operacionais de ligação à região, o que considerou "lamentável".

"Temos acompanhado com alguma preocupação [esta situação] e feito chegar as nossas preocupações à administração da TAP", disse Pedro Calado aos jornalistas, durante uma iniciativa no Funchal.

O governante madeirense argumentou que, embora este não seja "só um problema da Madeira e de Portugal", visto que "todas as companhias em toda a Europa e em todo o mundo estão a ter este problema", devido à "muita escassez de mão de obra" (pilotos e pessoal de terra), as regiões insulares acabam por "sofrer muito mais" porque não têm alternativa de acessibilidade.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.