TAP foca estratégia de crescimento na América do Norte

A companhia aérea portuguesa está focada em expandir a operação na América do Norte, aproveitando sinergias com o acionista David Neeleman

A TAP quer "ser a principal companhia aérea da Europa" a voar para a América do Norte, garantiu ontem Antonoaldo Neves, presidente executivo da empresa, na cerimónia de assinatura de protocolos de cooperação entre a transportadora e cinco associações empresariais do norte, que teve lugar no Porto. O gestor adiantou que estão em vista dez novos destinos para expandir a presença nesta região.

Segundo Antonoaldo Neves, a América do Norte foi, no ano passado, o terceiro maior mercado da TAP, com um peso de 10% na operação. Em 2004, valia 4%. "Queremos que os EUA cheguem aos 15%/20%", afirmou. Para este crescimento, a TAP conta com "o acionista, que conhece bem o mercado", referindo-se a David Neeleman, também proprietário da americana Jetblue, e com as vantagens nos custos e distâncias, inferiores a outros países europeus. "A TAP ainda está a começar na América do Norte" e vai precisar de um forte investimento "ao longo dos próximos cinco anos". Já a "China, é para daqui a dez anos", disse.

Crescer no Porto

A TAP prevê atingir este ano 2,2 milhões de passageiros no Porto, exercício em que decidiu retomar a ligação a Milão e Barcelona, reforçou para Ponta Delgada e lançou London City, num total de 41 voos semanais. Antonoaldo Neves admite a criação de novas rotas até ao fim do ano. A companhia aérea nacional está assim a inverter a estratégia de desinvestimento no aeroporto da região norte e o crescimento no número de passageiros está a justificar esta alteração.

"Quando se iniciou o processo de privatização, há três anos, a TAP tinha 1,6 milhões de clientes por ano no Porto" e, agora, deverá chegar a setembro/outubro e ultrapassar os dois milhões de passageiros. "Não há nenhum mercado da TAP que cresça assim", sublinhou. Até maio, a TAP assegurou o transporte de 840 mil pessoas para o Porto, um crescimento de 17%.

A ponte aérea Porto-Lisboa, lançada há dois anos e que opera com 16 voos diários, tem sido um sucesso, com uma ocupação média de 82%. Antonoaldo Neves admite que a operação poderia crescer, até porque os passageiros provenientes do Brasil e dos Estados Unidos têm grande potencial para a cidade, mas debate-se "com problemas gravíssimos de pontualidade". Outra das limitações é a capacidade dos aviões, "que poderiam ser maiores". A transportadora portuguesa responde atualmente por 269 voos diretos por semana para 16 destinos a partir do aeroporto do Porto.

A TAP, que assinou protocolos de cooperação com a Associação Empresarial de Portugal, a Associação Comercial do Porto, a Associação Nacional de Jovens Empresários, a Associação de Têxteis e Vestuário de Portugal e a Associação Portuguesa dos Industriais de Calçado, Componentes e Artigos de Pele e seus Sucedâneos, está também a equacionar a utilização dos porões nos voos na Europa para carga, procurando dar resposta às necessidades das empresas em colocar rapidamente os seus produtos nos destinos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.