TAP foca estratégia de crescimento na América do Norte

A companhia aérea portuguesa está focada em expandir a operação na América do Norte, aproveitando sinergias com o acionista David Neeleman

A TAP quer "ser a principal companhia aérea da Europa" a voar para a América do Norte, garantiu ontem Antonoaldo Neves, presidente executivo da empresa, na cerimónia de assinatura de protocolos de cooperação entre a transportadora e cinco associações empresariais do norte, que teve lugar no Porto. O gestor adiantou que estão em vista dez novos destinos para expandir a presença nesta região.

Segundo Antonoaldo Neves, a América do Norte foi, no ano passado, o terceiro maior mercado da TAP, com um peso de 10% na operação. Em 2004, valia 4%. "Queremos que os EUA cheguem aos 15%/20%", afirmou. Para este crescimento, a TAP conta com "o acionista, que conhece bem o mercado", referindo-se a David Neeleman, também proprietário da americana Jetblue, e com as vantagens nos custos e distâncias, inferiores a outros países europeus. "A TAP ainda está a começar na América do Norte" e vai precisar de um forte investimento "ao longo dos próximos cinco anos". Já a "China, é para daqui a dez anos", disse.

Crescer no Porto

A TAP prevê atingir este ano 2,2 milhões de passageiros no Porto, exercício em que decidiu retomar a ligação a Milão e Barcelona, reforçou para Ponta Delgada e lançou London City, num total de 41 voos semanais. Antonoaldo Neves admite a criação de novas rotas até ao fim do ano. A companhia aérea nacional está assim a inverter a estratégia de desinvestimento no aeroporto da região norte e o crescimento no número de passageiros está a justificar esta alteração.

"Quando se iniciou o processo de privatização, há três anos, a TAP tinha 1,6 milhões de clientes por ano no Porto" e, agora, deverá chegar a setembro/outubro e ultrapassar os dois milhões de passageiros. "Não há nenhum mercado da TAP que cresça assim", sublinhou. Até maio, a TAP assegurou o transporte de 840 mil pessoas para o Porto, um crescimento de 17%.

A ponte aérea Porto-Lisboa, lançada há dois anos e que opera com 16 voos diários, tem sido um sucesso, com uma ocupação média de 82%. Antonoaldo Neves admite que a operação poderia crescer, até porque os passageiros provenientes do Brasil e dos Estados Unidos têm grande potencial para a cidade, mas debate-se "com problemas gravíssimos de pontualidade". Outra das limitações é a capacidade dos aviões, "que poderiam ser maiores". A transportadora portuguesa responde atualmente por 269 voos diretos por semana para 16 destinos a partir do aeroporto do Porto.

A TAP, que assinou protocolos de cooperação com a Associação Empresarial de Portugal, a Associação Comercial do Porto, a Associação Nacional de Jovens Empresários, a Associação de Têxteis e Vestuário de Portugal e a Associação Portuguesa dos Industriais de Calçado, Componentes e Artigos de Pele e seus Sucedâneos, está também a equacionar a utilização dos porões nos voos na Europa para carga, procurando dar resposta às necessidades das empresas em colocar rapidamente os seus produtos nos destinos.

Ler mais

Exclusivos