Supervisor dos Seguros dá 'luz verde' à OPA do CaixaBank

A oferta do banco catalão está condicionada à eliminação do atual limite dos seus direitos de voto

A Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões (ASF) deu 'luz verde' à Oferta Pública de Aquisição (OPA) do CaixaBank sobre o BPI, indica o regulador na sua página na internet.

De acordo com a deliberação da reunião do regulador dos seguros, no passado dia 21 de julho, o conselho de administração decidiu "não se opor à aquisição indireta pelo CaixaBank das ações representativas da totalidade do capital social e dos direitos de voto da BPI Vida e Pensões - Companhia de Seguros, S.A., de ações representativas de 50% do capital social e dos direitos de voto da COSEC - Companhia de Seguro de Créditos, S.A., e de ações representativas de 35% do capital social e dos direitos de voto da Companhia de Seguros Allianz Portugal, S.A".

No passado dia 18 de abril, o CaixaBank obteve a 'luz verde' da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) para lançar uma OPA sobre as ações do BPI que ainda não controla, oferecendo um preço de 1,113 euros por ação no anúncio preliminar da operação.

Esta oferta do banco catalão, que detém 44,1% do Banco BPI, está condicionada à eliminação do atual limite dos seus direitos de voto, e ocorreu a pouco menos de um ano passado sobre o fim da última oferta feita pelo banco para adquirir no mercado as ações do BPI que ainda não controla.

Esta foi a reação do CaixaBank ao falhanço das negociações com a Santoro Finance, controlada pela empresária Isabel dos Santos, para resolver o problema da elevada exposição do banco português a Angola.

No ano passado, o CaixaBank lançou uma OPA sobre o BPI, que acabou falhada por não ter sido conseguida a desblindagem dos direitos de voto, condição considerada essencial para a operação avançar.

Então, foi oferecido 1,329 euros por cada ação, o que valorizava o banco português em perto de 1,9 mil milhões de euros.

Já na OPA voluntária anunciada a 18 de abril, o banco catalão ofereceu 1,113 euros, avaliando o BPI em 1,6 mil milhões de euros.

Na terça-feira, em conferência de imprensa de apresentação de resultados, o presidente executivo do BPI, Fernando Ulrich, considerou o Caixabank um "parceiro fundamental", que ficou no banco nos bons e maus momentos.

O banco BPI registou um resultado líquido de 105,9 milhões de euros entre janeiro e junho, uma subida homóloga de 39,1% face ao lucro apurado em igual período do ano passado, revelou a instituição.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.