Subida de rating da Fitch pode abrir portas do país a mais investidores

Agências Analistas esperam que a Fitch siga a S&P e tire Portugal do "lixo". Se o fizer, a dívida portuguesa entra na "primeira liga".

A Fitch deverá dar a Portugal um presente de Natal antecipado no dia 15 deste mês, quando fizer a revisão do rating da dívida soberana portuguesa. Os analistas e gestores de ativos antecipam que a agência siga a Standard & Poor"s (S&P) e também retire Portugal do nível de "lixo". A fazê-lo, é como uma espécie de jackpot, já que as obrigações do Tesouro portuguesas passam a poder integrar os principais índices obrigacionistas e a poderem ser compradas por um maior número de investidores de peso. Isto, porque é preciso que as obrigações portuguesas tenham, pelo menos, dois ratings de investimento de qualidade atribuídos por duas das três grandes agências - Fitch, Moody"s e S&P. Se a Fitch subir o rating da dívida do país, vem somar-se ao upgrade já feito pela S&P neste ano.

"É provável que a Fitch acompanhe a decisão da S&P e suba o rating de Portugal para grau de investimento", disse Filipe Garcia, economista da IMF-Informação de Mercados Financeiros. E espera que "provavelmente, a Fitch irá citar o crescimento económico de Portugal, o comportamento da dívida em mercado secundário e as alterações no perfil da dívida para sustentar a sua decisão". A Fitch tem um rating de BB+ atribuído a Portugal.

"Uma subida do rating tornaria as obrigações do Tesouro portuguesas elegíveis para o índice de obrigações iBoxx", refere o Commerzbank, numa nota de análise de 7 deste mês. "Uma eventual decisão da Fitch em subir a dívida soberana portuguesa para grau de investimento tem relevância, porque há fundos que só podem comprar dívida de emitentes com a classificação de grau de investimento por duas das três principais agências de notação", explicou Filipe Garcia.

"De certa forma vem dar ainda mais credibilidade à nossa dívida", adiantou Filipe Silva, diretor de gestão de ativos do Banco Carregosa.

Impacto positivo

O impacto de uma subida de rating, apesar de antecipado pelos investidores, seria positivo na performance da dívida portuguesa no mercado.

Portugal tem estado fora dos principais índices de dívida soberana há vários anos e uma subida do rating da Fitch pode abrir novas portas ao país. "Se a Fitch subir o rating de Portugal vamos passar a estar num patamar diferente, pois mais investidores irão poder investir na nossa dívida e é provável que o nosso spread versus a Alemanha estreite mais uns pontos-base", explica Filipe Silva.

"A acontecer, será uma decisão esperada, mas ainda assim positiva para Portugal e para o Tesouro" destacou.

Os analistas esperam assim que, tanto a Fitch como a Moody"s, acompanhem a subida de rating já feita pela S&P. O banco Nomura até recomendou que, com a subida do rating pela Fitch, esta pode ser uma boa altura para os investidores começarem a reduzir a sua exposição à dívida soberana portuguesa. Também o Rabobank acha que é "provável" que a agência tire Portugal do lixo. Os juros da dívida portuguesa têm vindo a descer no mercado e, no caso das obrigações a dez anos, situam-se agora na casa dos 1,8% pela primeira vez desde 2015.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.