Stephen Hawking: Inteligência artificial pode "resolver alguns dos problemas da industrialização"

Físico britânico foi o convidado surpresa da conferência que se iniciou em Lisboa

O famoso físico britânico Stephen Hawking foi o convidado surpresa esta segunda-feira na Web Summit e, por videoconferência, falou de inteligência artificial, os seus desafios, os riscos que acarreta mas também as oportunidades que contém.

"Não podemos prever o que vamos produzir na área da inteligência artificial, mas poderemos resolver alguns dos problemas criados pela industrialização", afirmou.

Hawking não tem dúvidas que este tipo de tecnologia fará com que "todos os aspectos das nossas vidas sejam transformados". Mas alerta: "não sabemos simplesmente se seremos ajudados ou ignorados pela inteligência artificial".

"Há o potencial de este ser o principal risco para a humanidade, como as armas automáticas. Também pode criar disrupção na economia", disse. No entanto - porque "somos os cientistas" - "temos de desenvolver a ideia. É preciso maximizar o sucesso da inteligência artificial na sociedade".

"Sou um otimista e acredito que a inteligência artificial servirá para o bem da humanidade", afirmou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.