Stephen Hawking: Inteligência artificial pode "resolver alguns dos problemas da industrialização"

Físico britânico foi o convidado surpresa da conferência que se iniciou em Lisboa

O famoso físico britânico Stephen Hawking foi o convidado surpresa esta segunda-feira na Web Summit e, por videoconferência, falou de inteligência artificial, os seus desafios, os riscos que acarreta mas também as oportunidades que contém.

"Não podemos prever o que vamos produzir na área da inteligência artificial, mas poderemos resolver alguns dos problemas criados pela industrialização", afirmou.

Hawking não tem dúvidas que este tipo de tecnologia fará com que "todos os aspectos das nossas vidas sejam transformados". Mas alerta: "não sabemos simplesmente se seremos ajudados ou ignorados pela inteligência artificial".

"Há o potencial de este ser o principal risco para a humanidade, como as armas automáticas. Também pode criar disrupção na economia", disse. No entanto - porque "somos os cientistas" - "temos de desenvolver a ideia. É preciso maximizar o sucesso da inteligência artificial na sociedade".

"Sou um otimista e acredito que a inteligência artificial servirá para o bem da humanidade", afirmou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.