Soros doa 15 mil milhões aos direitos humanos

Bilionário dá fortuna à Open Society, uma fundação de defesa da democracia

O bilionário George Soros transferiu 18 mil milhões de dólares (mais de 15 mil milhões de euros) da sua fortuna pessoal para a fundação que criou em 1993, a Open Society, que promove a democracia e os direitos humanos. Aquela que é, na realidade, uma rede de fundações com filiais em 37 países e ações em mais de cem nacionalidades já recebeu mais de 20 mil milhões de dólares (29 mil milhões de euros) de financiamento de filantropos, sendo hoje a segunda mais rica dos EUA, a seguir à Fundação Bill & Melinda Gates (40 mil milhões de dólares, qualquer coisa como 34 mil milhões de euros).

87 anos após ter nascido, em Budapeste, na Hungria, e depois de uma vida dedicada a investimentos em hedge funds, George Soros é um dos homens mais ricos do mundo, com um património líquido de 25,2 mil milhões de dólares, cerca de 21 mil milhões de euros, de acordo com a revista Forbes. O donativo agora anunciado "reflete um processo em andamento de transferência de recursos que ocorre há vários anos", segundo explicação de Laura Siber, porta-voz da fundação, à agência AFP. O bilionário pretende deixar "a vasta maioria" da sua fortuna pessoal à fundação, onde têm assento três dos cinco filhos de Soros.

Nascido numa família judia de classe média/alta, Soros tinha apenas 13 anos quando os nazis ocuparam a Hungria, impedindo-o de frequentar a escola. Aos 17 anos, emigrou para Inglaterra, onde estudou na London School of Economics e conseguiu trabalho na banca, conquistando experiência na bolsa. Já depois de se mudar para Nova Iorque, lançou, em 1969, o primeiro fundo de investimento. No ano seguinte, deu início à filantropia, atribuindo bolsas escolares a sul-africanos vítimas do apartheid. Na década seguinte ajudou a promover a queda do muro de Berlim, contribuindo para a abertura da ex-URSS. No início deste século, com a atenção voltada para os EUA, criticou as guerras contra a droga e apoiou o movimento de legalização da marijuana e, ainda, o casamento de pessoas do mesmo sexo.

George Soros é conhecido por apoiar "causas perdidas" e envolver-se nos "problemas mais insolúveis". Apoiou Hillary Clinton na última campanha presidencial dos EUA e, mais recentemente, através da Open Society, financiou as atividades do órgão que lidera o movimento independentista da Catalunha.

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Os deuses das moscas

Com a idade, tendemos a olhar para o passado em jeito de balanço; mas, curiosamente, arrependemo-nos sobretudo do que não fizemos nem vamos já a tempo de fazer. Cá em casa, tentamos, mesmo assim, combater o vazio mostrando um ao outro o que foi a nossa vida antes de estarmos juntos e revisitando os lugares que nos marcaram. Já fomos, por exemplo, a Macieira de Cambra em busca de uma rapariga com quem o Manel dançara um Verão inteiro (e encontrámo-la, mas era tudo menos uma rapariga); e, mais recentemente, por causa de um casamento no Gerês, fizemos um desvio para eu ir ver o hotel das termas onde ele passava férias com os avós quando era adolescente. Ainda hoje o Manel me fala com saudade daqueles julhos pachorrentos, entre passeios ao rio Homem e jogos de cartas numa varanda larga onde as senhoras inventavam napperons e mexericos, enquanto os maridos, de barrigas fartas de tripas e francesinhas no ano inteiro, tratavam dos intestinos com as águas milagrosas de Caldelas. Nas redondezas, havia, ao que parece, uma imensidão de campos; e, por causa das vacas que ali pastavam, os hóspedes não conseguiam dar descanso aos mata-moscas, ameaçados pelas ferradelas das danadas que, não bastando zumbirem irritantemente, ainda tinham o hábito de pousar onde se sabe.