Sindicato diz que Carris deve três milhões a motoristas e guarda-freios

Valor respeita a descansos compensatórios vencidos, não gozados e não pagos

O Sindicato Nacional dos Motoristas (SNM) disse hoje que a Carris deve cerca de três milhões de euros a motoristas e guarda-freios, a título de descansos compensatórios vencidos, não gozados e não pagos, e garante que vai avançar para a via judicial.

"Este valor médio foi auferido tendo em conta o universo de trabalhadores da Carris [cerca de 1.300 pessoas]. Estamos a falar de descansos compensatórios, que estão previstos no Código do Trabalho. A legislação deve ser aplicada de igual forma para todos", disse à Lusa Manuel Oliveira, do SNM.

O sindicalista afirmou que a Carris não tem dado resposta às reivindicações dos trabalhadores.

"A Carris não deu nenhuma justificação, só nos disse que considera ter legitimidade para não se responsabilizar pelo valor em causa. No entanto, estamos a discutir legalidade e não legitimidade", sublinhou.

Apesar da dívida ter vencido em 2012, Manuel Oliveira refere que o sindicato já "esgotou todos os recursos", tornando-se, por isso, "inevitável" recorrer à via judicial.

Desta forma, o SNM garante que vai "patrocinar aos seus associados todas as ações judiciais que se venham a mostrar necessárias, para que estes possam ser devidamente ressarcidos".

Contactada pela Lusa, a Carris informou que emitirá uma posição sobre o tema na segunda-feira.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.