Sindicato diz que Carris deve três milhões a motoristas e guarda-freios

Valor respeita a descansos compensatórios vencidos, não gozados e não pagos

O Sindicato Nacional dos Motoristas (SNM) disse hoje que a Carris deve cerca de três milhões de euros a motoristas e guarda-freios, a título de descansos compensatórios vencidos, não gozados e não pagos, e garante que vai avançar para a via judicial.

"Este valor médio foi auferido tendo em conta o universo de trabalhadores da Carris [cerca de 1.300 pessoas]. Estamos a falar de descansos compensatórios, que estão previstos no Código do Trabalho. A legislação deve ser aplicada de igual forma para todos", disse à Lusa Manuel Oliveira, do SNM.

O sindicalista afirmou que a Carris não tem dado resposta às reivindicações dos trabalhadores.

"A Carris não deu nenhuma justificação, só nos disse que considera ter legitimidade para não se responsabilizar pelo valor em causa. No entanto, estamos a discutir legalidade e não legitimidade", sublinhou.

Apesar da dívida ter vencido em 2012, Manuel Oliveira refere que o sindicato já "esgotou todos os recursos", tornando-se, por isso, "inevitável" recorrer à via judicial.

Desta forma, o SNM garante que vai "patrocinar aos seus associados todas as ações judiciais que se venham a mostrar necessárias, para que estes possam ser devidamente ressarcidos".

Contactada pela Lusa, a Carris informou que emitirá uma posição sobre o tema na segunda-feira.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.