Sindicato diz que Carris deve três milhões a motoristas e guarda-freios

Valor respeita a descansos compensatórios vencidos, não gozados e não pagos

O Sindicato Nacional dos Motoristas (SNM) disse hoje que a Carris deve cerca de três milhões de euros a motoristas e guarda-freios, a título de descansos compensatórios vencidos, não gozados e não pagos, e garante que vai avançar para a via judicial.

"Este valor médio foi auferido tendo em conta o universo de trabalhadores da Carris [cerca de 1.300 pessoas]. Estamos a falar de descansos compensatórios, que estão previstos no Código do Trabalho. A legislação deve ser aplicada de igual forma para todos", disse à Lusa Manuel Oliveira, do SNM.

O sindicalista afirmou que a Carris não tem dado resposta às reivindicações dos trabalhadores.

"A Carris não deu nenhuma justificação, só nos disse que considera ter legitimidade para não se responsabilizar pelo valor em causa. No entanto, estamos a discutir legalidade e não legitimidade", sublinhou.

Apesar da dívida ter vencido em 2012, Manuel Oliveira refere que o sindicato já "esgotou todos os recursos", tornando-se, por isso, "inevitável" recorrer à via judicial.

Desta forma, o SNM garante que vai "patrocinar aos seus associados todas as ações judiciais que se venham a mostrar necessárias, para que estes possam ser devidamente ressarcidos".

Contactada pela Lusa, a Carris informou que emitirá uma posição sobre o tema na segunda-feira.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.