Rede da madrugada da STCP com 360 mil passageiros no primeiro semestre do ano

Serviço é procurado por estudantes universitários, trabalhadores do período noturno e para fins de lazer

O serviço da madrugada da Sociedade de Transportes Coletivos do Porto (STCP) transportou 360 mil passageiros no primeiro semestre deste ano, mais 4% do que em igual período de 2017, informou a operadora esta terça-feira.

A rede da madrugada da STCP está em funcionamento desde o ano de 2005, de forma ininterrupta, e já transportou um total de mais de sete milhões de passageiros.

"A adesão das pessoas a esta operação tem vindo sempre em crescendo acentuado nos últimos cinco anos" e "os números prometem continuar a subir", sublinha a STCP, em comunicado, destacando a procura por quem trabalha em horário noturno, por estudantes universitários, "bem como para aqueles que frequentam a 'movida' da Baixa do Porto, sem terem custos acrescidos em termos de estacionamento".

O serviço da madrugada da STCP funciona 365 dias por ano e compreende 11 linhas que garantem, entre a 00:30 e as 06:00, as ligações entre a cidade do Porto e os concelhos periféricos de Vila Nova de Gaia, Gondomar, Maia, Matosinhos e Valongo.

A maior parte das linhas da rede da madrugada - nove num total de 11 - têm o seu início na avenida dos Aliados, no centro do Porto, todas com partida às 01:00, 02:00, 03:00, 04:00 e 05:00.

No sentido inverso, o serviço começa às 00:30 e faz a última partida às 05:30, com chegada ao Porto às 06:00.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.