Rede da madrugada da STCP com 360 mil passageiros no primeiro semestre do ano

Serviço é procurado por estudantes universitários, trabalhadores do período noturno e para fins de lazer

O serviço da madrugada da Sociedade de Transportes Coletivos do Porto (STCP) transportou 360 mil passageiros no primeiro semestre deste ano, mais 4% do que em igual período de 2017, informou a operadora esta terça-feira.

A rede da madrugada da STCP está em funcionamento desde o ano de 2005, de forma ininterrupta, e já transportou um total de mais de sete milhões de passageiros.

"A adesão das pessoas a esta operação tem vindo sempre em crescendo acentuado nos últimos cinco anos" e "os números prometem continuar a subir", sublinha a STCP, em comunicado, destacando a procura por quem trabalha em horário noturno, por estudantes universitários, "bem como para aqueles que frequentam a 'movida' da Baixa do Porto, sem terem custos acrescidos em termos de estacionamento".

O serviço da madrugada da STCP funciona 365 dias por ano e compreende 11 linhas que garantem, entre a 00:30 e as 06:00, as ligações entre a cidade do Porto e os concelhos periféricos de Vila Nova de Gaia, Gondomar, Maia, Matosinhos e Valongo.

A maior parte das linhas da rede da madrugada - nove num total de 11 - têm o seu início na avenida dos Aliados, no centro do Porto, todas com partida às 01:00, 02:00, 03:00, 04:00 e 05:00.

No sentido inverso, o serviço começa às 00:30 e faz a última partida às 05:30, com chegada ao Porto às 06:00.

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."