Selo sobre venda de casas deu num ano mais 50 milhões de euros ao Estado

À boleia do mercado imobiliário, parcela do Imposto do Selo que vem das operações de aquisição de imóveis aumentou 29% em 2017.

O impacto fiscal do bom momento que o mercado imobiliário atravessa não se mede apenas no ritmo de crescimento do Imposto Municipal das Transmissões Onerosas (IMT). Uma boa parte das receitas chega através do mais silencioso e discreto Imposto do Selo, que, só no ano passado, fez entrar nos cofres do Estado 231,4 milhões de euros. Foram mais 50 milhões do que no ano anterior.

Leia mais em Dinheiro Vivo a sua marca de economia

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Falem do futuro

O euro, o Erasmus, a paz. De cada vez que alguém quer defender a importância da Europa, aparece esta trilogia. Poder atravessar a fronteira sem trocar de moeda, ter a oportunidade de passar seis meses a estudar no estrangeiro (há muito que já não é só na União Europeia) e - para os que ainda se lembram de que houve guerras - a memória de que vivemos o mais longo período sem conflitos no continente europeu. Normalmente dizem isto e esperam que seja suficiente para que a plateia reconheça a maravilha da construção europeia e, caso não esteja já convertida, se renda ao projeto europeu. Se estes argumentos não chegam, conforme o país, invocam os fundos europeus e as autoestradas, a expansão do mercado interno ou a democracia. E pronto, já está.