Seis pontes e cinco fins de semana alargados ameaçam produtividade

Calendário oferece cinco fins de semana prolongados e várias pontes. Indústria faz contas: têxteis contabilizam em 200 milhões os custos associados à reposição dos feriados e metalomecânica fala em perdas de 90 milhões

Os trabalhadores que marcam as férias atentos a todas as possibilidades de as colar a fins de semana prolongados ou a feriados que dão pontes vão ter boas notícias em 2017. O calendário coloca cinco feriados a coincidir com sextas ou segundas-feiras, havendo ainda seis que calham a quintas ou terças-feiras. São mais do que neste ano. As empresas que operam no turismo, comércio e lazer veem estas miniférias como forma de reforçar a faturação; mas as contas que muitos patrões da indústria fazem é ao aumento exponencial de custos.

Entre vantagens e desvantagens, há estudos que apontam para que o custo dos feriados supere o retorno em quase 40 milhões de euros. Mas cada caso é um caso e no setor da metalurgia e da metalomecânica (o campeão das exportações portuguesas, representando cerca de 30% das nossas vendas ao exterior) calcula-se o impacto da reposição dos quatro feriados que tinham sido suspensos em 2013 e conclui-se que o valor acrescentado bruto perdido ronda os 90 milhões de euros.

Nos têxteis, outro dos grandes exportadores, também se medem custos. Paulo Vaz, diretor-geral da Associação Têxtil e Vestuário de Portugal (ATP), calcula em 200 milhões de euros as perdas com o regresso dos feriados do Corpo de Deus, do 5 de Outubro, de 1 de novembro e 1 de dezembro.

Em 2012, o governo de Pedro Passos Coelho avançou com a suspensão de dois feriados civis e outros tantos religiosos, justificando a medida com o quadro de emergência financeira que o país então vivia. No início deste ano, quatro projetos de lei de PS, BE, PCP e Verdes fizeram regressar estes quatro feriados - situação que, de qualquer forma, teria de ser reavaliada, já que a medida foi delineada para quatro anos. Esta mudança aumentou de duas para cinco as possibilidades de ponte em 2016 (a última será gozada a 1 de dezembro). Em 2017, as pontes possíveis são cinco para a generalidade do país; seis para quem trabalha no concelho de Lisboa ou sete para quem equacione pôr dois dias de férias encostados a 1 de novembro, uma quarta-feira. A isto somam-se cinco fins de semana prolongados.

Para o presidente da Confederação do Turismo Português, as pontes e feriados têm um efeito positivo para o turismo, pois representam "ocasiões privilegiadas para os portugueses viajarem e fazerem refeições fora de casa", o que acaba por se traduzir de forma objetiva na rentabilidade do setor. Francisco Calheiros não dispõe de valores que revelem o benefício associado aos feriados, mas não tem dúvidas de que acabam por ter impacto junto do movimento interno de turistas - que representa 30% do mercado.

Do lado da Associação dos Industriais Metalúrgicos, Metalomecânicos e Afins de Portugal (AIMMAP), a avaliação é diferente. "Há os custos associados à mão--de-obra, a que se somam os energéticos: ligar e desligar as máquinas a meio da semana aumenta bastante a fatura energética", lembra Gonçalo Lobo Xavier, assessor da direção da AIMMAP, acentuando que o consumo de energia no arranque é de 30% superior.

A isto, refere, junta-se um outro problema que faz que as pontes ou os feriados colados ao final de uma semana agrave ainda mais os custos. É que, tradicionalmente neste setor, as sextas-feiras são o dia em que se fazem as expedições de mercadoria para o estrangeiro.

Tudo isto leva Gonçalo Lobo Xavier a sublinhar que a reposição dos quatro feriados pode ter sido uma medida muito popular, mas foi tomada sem ter em conta os efeitos na competitividade das empresas.

Paulo Vaz reforça: "É muito simpático repor feriados, mas é preciso ver que isto aumenta o número de vezes em que as indústrias têm de interromper a produção a meio da semana." A alternativa para não parar e responder às encomendas dentro do calendário é pagar o trabalho em feriado. "Só que, quando isso sucede, têm de ser as empresas a absorver este aumento de custos, porque o cliente dos EUA ou da Alemanha que nos fez a encomenda não quer saber se tivemos de trabalhar num feriado ou não e não nos vai pagar mais por isso."

Os impactos nas empresas portuguesas são óbvios para Gonçalo Lobo Xavier e para Paulo Vaz, mas Arménio Carlos, secretário-geral da CGTP, faz uma leitura totalmente diferente. "O que se verificou é que a reposição dos feriados não teve qualquer consequência negativa" na competitividade da economia e em alguns setores "até foi importante para os dinamizar".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Brasil e as fontes do mal

O populismo de direita está em ascensão, na Europa, na Ásia e nas Américas, podendo agora vencer a presidência do Brasil. Como se explica esta tendência preocupante? A resposta pode estar na procura de padrões comuns, exercício que infelizmente ganha profundidade com o crescente número de países envolvidos. A conclusão é que os pontos comuns não se encontram na aversão à globalização, à imigração ou à corrupção política, mas sim numa nova era de campanhas eleitorais que os políticos democráticos não estão a conseguir acompanhar, ao contrário de interesses políticos e económicos de tendências não democráticas. A solução não é fácil, mas tudo é mais difícil se não forem identificadas as verdadeiras fontes. É isso que devemos procurar fazer.

Premium

João Almeida Moreira

1964, 1989, 2018

A onda desmesurada que varreu o Brasil não foi apenas obra de um militar. Não foi, aliás, apenas obra dos militares. Os setores mais conservadores da Igreja, e os seus fiéis fanáticos, apoiaram. Os empresários mais radicais do mercado, que lutam para que as riquezas do país continuem restritas à oligarquia de sempre, juntaram-se. Parte do universo mediático pactuou, uns por ação, outros por omissão. Os ventos norte-americanos, como de costume, influenciaram. E, por fim, o anticomunismo primário, associado a boas doses de ignorância, embrulhou tudo.

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.