Seis milhões para projetos inovadores 

Há três ideias portuguesas entre as 14 escolhidas para integrar o programa de financiamento rápido no âmbito do Horizonte 2020. "Investir na inovação contra futuras crises" é fundamental, diz Moedas.

É verdadeiramente uma via rápida para a inovação e vai beneficiar projetos apoiados pela RTP, pela Visionware e pela Sakthi com perto de 6 milhões de euros para projetos inovadores em atividades próximas do mercado. "Com este apoio, o Horizonte 2020 ajuda os empreendedores com boas ideias a chegar mais rapidamente ao mercado com novos produtos e serviços", explicou o comissário português Carlos Moedas, que lidera a pasta europeia da Ciência e Inovação. "Ao participar nestes projetos europeus, estas três empresas portuguesas demonstraram uma grande capacidade inovadora nas áreas em que operam", afirmou ainda o responsável europeu, no anúncio da atribuição dos fundos do Fast Track to Innovation a um total de 14 projetos envolvendo 59 parceiros, incluindo PME, parceiros industriais, universidades e organizações sem fins lucrativos, de 18 países europeus.

Quanto às ideias portuguesas que impressionaram, concretizam-se em projetos bem distintos, que vão de uma ferramenta de inteligência artificial que revoluciona a qualidade do vídeo (o Enhance player, com participação da RTP), a uma plataforma que desenvolve soluções inteligentes para materiais digitais na indústria automóvel (o DigiMAT, com a Sakthi Portugal) ou uma app aberta para aplicativos de cidades inteligentes na área da segurança (Scene, com participação da Visionware).

Ao nível europeu, serão distribuídos um total de 34 milhões de euros por 14 projetos inovadores, contribuindo para o êxito de empresas europeias, em particular de pequena e média dimensão, na comercialização de novos produtos e serviços. Focados em garantir a maior brevidade e eficácia possível, os fundos do programa Fast Track foram criados de forma a reduzir substancialmente o tempo entre a apresentação da ideia e a sua concretização e introdução no mercado.

Promover a inovação e as empresas que nela apostem é uma prioridade que Moedas tem assumido quer em Bruxelas quer em Portugal, puxando sobretudo pelas capacidades das PME. "Temos de continuar sempre a investir nas áreas da ciência, da inovação, da educação", defende o comissário europeu, sublinhando que é essa a única maneira de nos proteger das próximas crises. E isso passa não apenas pelo investimento público que vem dos fundos europeus mas também pela capacidade das empresas de financiarem projetos inovadores. "Temos de continuar a criar condições para que o privado também faça investimento na área da inovação e da ciência."

Leia mais aqui

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.