Preço da luz baixou 0,2%. "Descida assinalável", diz secretário de Estado

O secretário de Estado da Energia, Jorge Seguro Sanches, considerou esta sexta-feira que a redução de 0,2% nas tarifas de eletricidade para as famílias em mercado regulado para 2018 é uma "descida assinalável".

Em declarações à Lusa, Jorge Seguro Sanches disse que esta descida do preço da eletricidade faz com que o país passe a ter "mais sustentabilidade e preços mais amigos das empresas e da economia nacional", sublinhando "a diminuição histórica de 4,4%" nas tarifas de acesso às redes.

"É um trabalho que vamos prosseguir. Estamos a conseguir [que se verifiquem] descidas reais do preço da energia e do preço da tarifa de acesso", concluiu.

A redução de 0,2% nas tarifas de eletricidade para as famílias em mercado regulado para 2018 representa uma diminuição de nove cêntimos para uma fatura mensal de 45,7 euros, de acordo com as contas divulgadas hoje pela Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE).

Os consumidores com tarifa social beneficiarão de um desconto de 33,8% sobre as tarifas de venda a clientes finais que foi estabelecido por despacho do Governo, o que representa uma redução na fatura mensal de eletricidade no valor de cinco cêntimos, para uma fatura média mensal de 20,4 euros.

A proposta tarifária propõe uma diminuição de cerca de 743 milhões de euros à dívida tarifária, valor que é superior à soma das diminuições verificadas em 2016 e 2017, que totalizaram 693 milhões de euros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.