Secretário de Estado aponta "nova redução do nível de fiscalidade"

Pedro Nuno Santos admite aumentos das pensões acima da inflação

O secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares garantiu que o Orçamento de Estado para 2017 prevê "uma nova redução do nível de fiscalidade", numa entrevista ao Negócios e Antena1 em que admite aumentos das pensões acima da inflação.

"Vamos ter uma nova redução do nível de fiscalidade, e isso é importante quando nós sistematicamente vamos ouvindo notícias ou fugas, umas confirmadas ou não, sobre aumento de impostos, um sobressalto permanente, quando em 2016 o nível de fiscalidade reduziu e em 2017 o mesmo vai acontecer", assegura Pedro Nuno Santos na entrevista publicada hoje pelo Negócios.

Para o secretário de Estado, é "injusta" a ideia de que o executivo prepara aumentos generalizados de impostos.

"É injusto para com um Governo que não é, por mais cambalhotas que se queira dar, um Governo que aumenta o nível de fiscalidade como aconteceu durante quatro anos", assinala.

Pedro Nuno Santos aponta o caso do IVA da restauração, que se reduziu para 13% no segundo semestre de 2016, e em 2017 vai manter a incidência durante todo o ano.

Na entrevista, o secretário de Estado reafirma o objetivo de "um sistema fiscal mais progressivo", admitindo que as "mexidas nos escalões de IRS são um objetivo esta legislatura", mas não vão acontecer já em 2017.

Quanto ao imposto sobre o património, Pedro Nuno Santos diz que o processo está "em fase de conclusão", escusando-se a indicar o valor patrimonial dos imóveis a partir do qual será aplicado, afirmando apenas que "há algumas afinações para fazer".

O membro do Governo reafirma a possibilidade de aumentos das pensões "acima da inflação".

"Não há nenhuma medida que vá contra a matriz ideológica do PS", assegura ainda o secretário de Estado, para quem Marcelo Rebelo de Sousa é "um Presidente que mudou a forma como se exerce essa presidência e conseguiu reconciliar o povo com a política, os políticos, nomeadamente com a Presidência da República".

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.