Santander recusa vender edifício histórico na baixa de Lisboa e admite museu

Banco já teve várias propostas para vender o imóvel

O Santander recusou esta quarta-feira a venda do edifício histórico do banco na baixa de Lisboa, na Rua do Ouro, apesar de já ter tido propostas para aquisição, estando a equacionar transformá-lo num museu.

"A resposta é não, não temos o edifício à venda e não fazemos intenções de o vender", disse António Vieira Monteiro quando questionado sobre uma possível alienação do imóvel, para o qual já existiram interessados.

O responsável, que falava em conferência de imprensa em Lisboa sobre os resultados do primeiro semestre, vincou que "se trata da sede histórica do banco".

"Portanto, entendemos que não o vamos vender", reforçou.

Ainda assim, aquele edifício "vai ter utilizações no futuro" e, "se calhar, iremos fazer do edifício um museu ou uma coisa assim parecida", adiantou.

O banco tem, atualmente, 5.000 imóveis em carteira em todo o país e de diferentes tipos, revelou o responsável, notando que alguns destes vieram do ex-Banco Popular.

Até agora, a instituição arrecadou cerca de 85 milhões de euros com a venda de imóveis, adiantou Vieira Monteiro.

Na ocasião, o presidente do Santander falou também desta integração do ex-Banco Popular no banco, concretizada em dezembro passado, vincando que o processo teve "efeitos positivos" para os antigos trabalhadores daquela instituição.

"Todas as pessoas que vieram do Popular para trabalhar connosco [...], no momento da integração, foram equiparadas aos empregados do Santander, com vantagens relativamente a outros bancos", realçou Vieira Monteiro.

Em causa está, por exemplo, a adoção de 1.200 como salário mínimo daqueles trabalhadores, bem como promoções e aumentos nos salários entre 0,75% e 2,5%.

"A integração foi feita criando as melhores condições para que se sentissem a trabalhar na sua casa", vincou, notando que o processo está concluído.

Falta, contudo, uma "integração informática, que só virá mais tarde".

Vieira Monteiro recusou que, neste período, tenha existido o encerramento de balcões, falando antes em "fusões", já que "as agências do Popular estão a ser metidos no espaço físico" das do Santander.

Assim, o banco tem, atualmente, 662 balcões, número que era de 585 em junho de 2017 e de 670 aquando da integração do ex-Banco Popular, em dezembro passado.

No que toca aos trabalhadores, tem atualmente 6.745, sendo que o total de funcionários rondava os 5.960 em junho de 2017 e chegou aos 6.781 em dezembro, altura da integração.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Pode a clubite tramar um hacker?

O hacker português é provavelmente uma história à portuguesa. Rapaz esperto, licenciado em História e especialista em informática, provavelmente coca-bichinhos, tudo indica, toupeira da internet, fã de futebol, terá descoberto que todos os estes interesses davam uma mistura explosiva, quando combinados. Pôs-se a investigar sites, e-mails de fundos de jogadores, de jogadores, de clubes de jogadores, de agentes de jogadores e de muitas entidades ligadas a esse estranho e grande mundo do futebol.

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.