Santander recusa vender edifício histórico na baixa de Lisboa e admite museu

Banco já teve várias propostas para vender o imóvel

O Santander recusou esta quarta-feira a venda do edifício histórico do banco na baixa de Lisboa, na Rua do Ouro, apesar de já ter tido propostas para aquisição, estando a equacionar transformá-lo num museu.

"A resposta é não, não temos o edifício à venda e não fazemos intenções de o vender", disse António Vieira Monteiro quando questionado sobre uma possível alienação do imóvel, para o qual já existiram interessados.

O responsável, que falava em conferência de imprensa em Lisboa sobre os resultados do primeiro semestre, vincou que "se trata da sede histórica do banco".

"Portanto, entendemos que não o vamos vender", reforçou.

Ainda assim, aquele edifício "vai ter utilizações no futuro" e, "se calhar, iremos fazer do edifício um museu ou uma coisa assim parecida", adiantou.

O banco tem, atualmente, 5.000 imóveis em carteira em todo o país e de diferentes tipos, revelou o responsável, notando que alguns destes vieram do ex-Banco Popular.

Até agora, a instituição arrecadou cerca de 85 milhões de euros com a venda de imóveis, adiantou Vieira Monteiro.

Na ocasião, o presidente do Santander falou também desta integração do ex-Banco Popular no banco, concretizada em dezembro passado, vincando que o processo teve "efeitos positivos" para os antigos trabalhadores daquela instituição.

"Todas as pessoas que vieram do Popular para trabalhar connosco [...], no momento da integração, foram equiparadas aos empregados do Santander, com vantagens relativamente a outros bancos", realçou Vieira Monteiro.

Em causa está, por exemplo, a adoção de 1.200 como salário mínimo daqueles trabalhadores, bem como promoções e aumentos nos salários entre 0,75% e 2,5%.

"A integração foi feita criando as melhores condições para que se sentissem a trabalhar na sua casa", vincou, notando que o processo está concluído.

Falta, contudo, uma "integração informática, que só virá mais tarde".

Vieira Monteiro recusou que, neste período, tenha existido o encerramento de balcões, falando antes em "fusões", já que "as agências do Popular estão a ser metidos no espaço físico" das do Santander.

Assim, o banco tem, atualmente, 662 balcões, número que era de 585 em junho de 2017 e de 670 aquando da integração do ex-Banco Popular, em dezembro passado.

No que toca aos trabalhadores, tem atualmente 6.745, sendo que o total de funcionários rondava os 5.960 em junho de 2017 e chegou aos 6.781 em dezembro, altura da integração.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.