Santander recusa vender edifício histórico na baixa de Lisboa e admite museu

Banco já teve várias propostas para vender o imóvel

O Santander recusou esta quarta-feira a venda do edifício histórico do banco na baixa de Lisboa, na Rua do Ouro, apesar de já ter tido propostas para aquisição, estando a equacionar transformá-lo num museu.

"A resposta é não, não temos o edifício à venda e não fazemos intenções de o vender", disse António Vieira Monteiro quando questionado sobre uma possível alienação do imóvel, para o qual já existiram interessados.

O responsável, que falava em conferência de imprensa em Lisboa sobre os resultados do primeiro semestre, vincou que "se trata da sede histórica do banco".

"Portanto, entendemos que não o vamos vender", reforçou.

Ainda assim, aquele edifício "vai ter utilizações no futuro" e, "se calhar, iremos fazer do edifício um museu ou uma coisa assim parecida", adiantou.

O banco tem, atualmente, 5.000 imóveis em carteira em todo o país e de diferentes tipos, revelou o responsável, notando que alguns destes vieram do ex-Banco Popular.

Até agora, a instituição arrecadou cerca de 85 milhões de euros com a venda de imóveis, adiantou Vieira Monteiro.

Na ocasião, o presidente do Santander falou também desta integração do ex-Banco Popular no banco, concretizada em dezembro passado, vincando que o processo teve "efeitos positivos" para os antigos trabalhadores daquela instituição.

"Todas as pessoas que vieram do Popular para trabalhar connosco [...], no momento da integração, foram equiparadas aos empregados do Santander, com vantagens relativamente a outros bancos", realçou Vieira Monteiro.

Em causa está, por exemplo, a adoção de 1.200 como salário mínimo daqueles trabalhadores, bem como promoções e aumentos nos salários entre 0,75% e 2,5%.

"A integração foi feita criando as melhores condições para que se sentissem a trabalhar na sua casa", vincou, notando que o processo está concluído.

Falta, contudo, uma "integração informática, que só virá mais tarde".

Vieira Monteiro recusou que, neste período, tenha existido o encerramento de balcões, falando antes em "fusões", já que "as agências do Popular estão a ser metidos no espaço físico" das do Santander.

Assim, o banco tem, atualmente, 662 balcões, número que era de 585 em junho de 2017 e de 670 aquando da integração do ex-Banco Popular, em dezembro passado.

No que toca aos trabalhadores, tem atualmente 6.745, sendo que o total de funcionários rondava os 5.960 em junho de 2017 e chegou aos 6.781 em dezembro, altura da integração.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.