Santa Casa e "largas dezenas" de acionistas entram no Montepio "daqui a 15 dias"

Presidente da Associação Mutualista estima que até ao final do mês se concretize a entrada de "largas dezenas" de novos acionistas em 2% do capital do banco, incluindo a Santa Casa

O presidente da Associação Mutualista Montepio, afirma que dentro de duas semanas deverá haver novidades acerca da entrada de novos acionistas no banco que é detido a 100% para Associação.

Em entrevista à TSF e Dinheiro Vivo, António Tomás Correia explica os contornos da entrada da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa e outras instituições de cariz social no banco, através da compra de até 2% do capital do Montepio. E não serão poucas: "já temos largas dezenas de respostas positivas mas vamos ter muitas mais. Mutualidades, misericórdias, de diversas dimensões", garante.

Tomás Correia assegura ainda que o Montepio não está à venda e questionado sobre se nesta história a montanha não terá parido um rato, dada a entrada, quase simbólica, de novos acionistas que no conjunto vão deter apenas 2% do capital da Caixa Económica, garante que "as pessoas ligam muito ao dinheiro, mas que interessa é o projeto", afirma, questionando se Portugal quer ser "o único país da Europa sem um grupo forte da economia social?"

(Leia mais em TSF.pt)

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.