Sanções. Ministro das Finanças alemão interveio a favor de Portugal e Espanha

Jornal alemão garante que Wolfgang Schäuble fez telefonemas para comissários europeus pedindo-lhes que não sancionassem os dois países

O ministro das Finanças alemão, Wolfgang Schäuble, foi uma das vozes críticas que se levantaram quando a Comissão Europeia decidiu adiar a decisão sobre a aplicação de eventuais sanções a Portugal e Espanha. O ministro das Finanças alemão chegou a afirmar que o objetivo das sanções ao dois países, por ausência de medidas eficazes para corrigir os défices, não tinha como objetivo "castigar" Portugal e Espanha, mas sim "incentivá-los" a atuar.

Porém, ao contrário do que seria esperado, o ministro das Finanças alemão não pressionou a Comissão Europeia no sentido de abrir um processo de sanções aos dois países: segundo o diário alemão Handelsblatt, que cita fontes diplomáticas da União Europeia, Schäuble terá telefonado aos comissários europeus pedindo-lhes que evitassem penalizações.

Segundo o Handelsblatt, o ministro das Finanças alemão telefonou inclusivamente a a Günther Oettinger, o alemão que é comissário europeu para a Economia Digital, para fazer lóbi a favor de Portugal e Espanha. Algumas chamadas terão sido feitas em conjunto com o seu homólogo espanhol, Luís de Guindos, durante o encontro de ministros do G20 na China.

Depois de uma tensa reunião de três horas, a Comissão Europeia decidiu esta quarta-feira não propor multas aos dois países, no quadro do processo de sanções devido ao défice excessivo, mas sim insistir em metas orçamentais mais duras. O comissário Valdis Dombrovskis anunciou a decisão, em conferência de imprensa em Bruxelas, lembrando os esforços feitos nos últimos anos pelos dois países, os argumentos apresentados pelos respetivos governos e ainda os desafios económicos que estes enfrentam. "Tendo em conta os esforços de Espanha e Portugal o colégio decidiu cancelar as multas a Espanha e Portugal", disse Dombrovkis.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.