Saída do BCP "enfraquece" estrutura da Pharol

BCP vende totalidade da posição que detinha na Pharol, avaliada em 14 milhões de euros

O anúncio foi feito ontem ao início da tarde. A Pharol comunicou ao mercado que o BCP, até agora o terceiro maior acionista da antiga PT, SGPS, vendeu a totalidade do capital que detinha na empresa, que ascendia a 6,17%. Contactadas pelo DN/Dinheiro Vivo, as duas partes rejeitaram esclarecer os detalhes do negócio, nomeadamente o valor da venda e a identidade dos compradores. No entanto, foi possível apurar que a venda foi feita fora de bolsa. Tendo em conta que se trata de uma participação qualificada, as regras do mercado de capitais ditam que o comprador das ações tem quatro dias para comunicar o negócio ao regulador.

Leia mais em Dinheiro Vivo a sua marca de economia

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.