Saiba quanto pode subir a sua renda

Passado o período transitório do Novo Regime de Arrendamento Urbano, as contas são feitas tendo em conta o valor patrimonial tributário da casa

O final do regime transitório da nova lei das rendas vai significar um aumento acentuado para cerca de 100 mil famílias. Mas quanto pode aumentar a renda e porquê?

O Novo Regime de Arrendamento Urbano (NRAU) previa um período de transição para quem tem contratos anteriores a 1990 que terminou em 2017, mas foi estendido por mais três anos.Para os arrendatários com deficiência ou com mais de 65 anos o período estende-se ainda por mais dois, até 2022.

Assim, a partir de 2020, os senhorios podem aumentar até 1/15 avos do valor patrimonial do imóvel - este valor não é o de compra da casa, nem da escritura, mas sim o determinado pelas Finanças e que também é usado para calcular o pagamento do IMI.

Por exemplo, tendo em conta um imóvel com valor patrimonial tributário (VPT) de cem mil euros, a renda anual pode ir até um máximo de 6700 euros. O que dá perto de 560 euros por mês.

Segundo estatísticas da Autoridade Tributária (AT), em 2016 o valor médio patrimonial tributário dos prédios urbanos ficou a rondar os 64 mil euros, mas tende ser mais alto nas grandes cidades.

Romão Lavadinho, presidente da Associação dos Inquilinos Lisbonenses, explica: "Terminado o período transitório, o valor da renda a apurar será igual a 1/15 avos do valor patrimonial do imóvel. Uma renda que hoje está em 120 euros pode passar para 500 ou 600 euros à vontade".

Para quem tem contratos posteriores a 1990, a atualização das rendas é feita de acordo com a inflação. Em 2018 aconteceu a maior dos últimos cinco anos: 1,12%. E quando um contrato de arrendamento termina pode ser estipulado pelo proprietário um novo valor de renda.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.