Ryanair passa a cobrar bagagem de mão até 10 quilos

A partir de novembro, a companhia low cost vai passar a cobrar, entre seis a 10 euros, pelo transporte de bagagem de mão até 10 quilos, um serviço que era até agora gratuito

Se está a pensar viajar pela Ryanair fique a saber que o transporte gratuito da bagagem de mão até 10 quilos vai terminar. A partir de novembro, a companhia aérea de low cost vai cobrar, entre seis a 10 euros, pelo serviço.

De acordo com a agência Reuters, as novas negras estipulam que os passageiros apenas podem transportar "uma pequena bolsa pessoal", que têm de colocar debaixo do banco.

Caso os passageiros queiram levar uma mala até 10 quilos podem fazê-lo de duas maneiras. Se a colocarem num armário a bordo do avião têm de pagar entre seis a oito euros, mas caso seja transportada no porão, têm de gastar entre oito e 10 euros.

A companhia aérea justifica a decisão com os atrasos causados pelo excesso de bagagem de mão. A Ryanair informou que não está à espera de obter receita adicional, porque, com esta medida irá permitir bagagens de maiores dimensões a bordo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.