Ryanair passa a cobrar bagagem de mão até 10 quilos

A partir de novembro, a companhia low cost vai passar a cobrar, entre seis a 10 euros, pelo transporte de bagagem de mão até 10 quilos, um serviço que era até agora gratuito

Se está a pensar viajar pela Ryanair fique a saber que o transporte gratuito da bagagem de mão até 10 quilos vai terminar. A partir de novembro, a companhia aérea de low cost vai cobrar, entre seis a 10 euros, pelo serviço.

De acordo com a agência Reuters, as novas negras estipulam que os passageiros apenas podem transportar "uma pequena bolsa pessoal", que têm de colocar debaixo do banco.

Caso os passageiros queiram levar uma mala até 10 quilos podem fazê-lo de duas maneiras. Se a colocarem num armário a bordo do avião têm de pagar entre seis a oito euros, mas caso seja transportada no porão, têm de gastar entre oito e 10 euros.

A companhia aérea justifica a decisão com os atrasos causados pelo excesso de bagagem de mão. A Ryanair informou que não está à espera de obter receita adicional, porque, com esta medida irá permitir bagagens de maiores dimensões a bordo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.