Rolls-Royce vai eliminar mais 200 cargos de direção

A maior parte desta redução ocorrerá no negócio dos motores de aviões da companhia

O fabricante de motores britânico Rolls-Royce Holdings PLC (Rycey) anunciou hoje que eliminará mais 200 cargos de direção durante um programa de rescisões amigáveis, no âmbito do objetivo de aumentar a rentabilidade.

A maior parte desta redução ocorrerá no negócio dos motores de aviões da companhia, que fabrica para a Boeing Co e Airbus e insere-se no processo de reestruturação anunciado pela empresa em finais de 2014 e que, em princípio, irá afetar 2.600 postos de trabalho neste segmento.

A Rolls-Royce também anunciou 400 despedimentos na sua filial marítima, estando a planear uma reestruturação maior.

O administrador delegado Warren East, que se encontra na direção da companhia desde o ano passado depois de uma série de revisões em baixa das perspetivas de lucro, tem estado a tentar acelerar as medidas de reestruturação na Rolls-Royce, que já não está vinculada ao fabricante de automóveis de luxo, segundo informações da Efe e da Dow Jones.

Com os cortes de pessoal, a Rolls-Royce tem como objetivo conseguir poupar entre 150 e 200 milhões de libras (entre 175 e 233,7 milhões de euros) por ano a partir de 2017.

A companhia procura impulsionar de forma agressiva a sua produção de motores para aviões de fuselagem para satisfazer a sólida procura dos Boeing 787, Dreamliner e Airbus A350.

Ao mesmo tempo, a empresa depara-se com a descida das vendas e dos resultados, uma vez que a procura por motores rentáveis mas mais antigos baixou substancialmente.

A escalada dos preços do petróleo e do gás também afetou os negócios da eletricidade e sistemas marítimos da companhia.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...