Robôs portugueses que conquistaram o mundo

Introsys atua sobretudo na indústria automóvel e aeronáutica. Vai ajudar a fazer o T-Roc em Palmela. E ganhou o prémio COTEC

É uma empresa portuguesa que constrói os robôs que vão fazer o novo modelo da Volkswagen na Autoeuropa. Esses e também os que outras marcas incontornáveis como a BMW, a Siemens ou a ThyssenKrupp utilizam nas suas fábricas de todo o mundo. Quinze anos depois de surgir a ideia durante um jogo de bilhar de dois irmãos, e numa época em que a inteligência artificial e a automação estão na ordem do dia, a Introsys acaba de ser distinguida pela COTEC com o Prémio PME Inovação. Uma distinção que "representa muito" para os irmãos Nuno e Luís Miguel Flores e que "estimula a continuação do trabalho com afinco".

"É o reconhecimento da dedicação e empenho de todos os nossos colaboradores e parceiros. Estamos conscientes do nosso valor num mercado altamente competitivo, mas este prémio entusiasma-nos. É um orgulho e permite-nos olhar os próximos 15 anos nesta lógica de procura da inovação", reagiu, em entrevista ao DN, o engenheiro industrial Nuno Flores.

Hoje com 220 colaboradores e uma faturação que subiu dos 12 aos 20 milhões de euros nos últimos dois anos - graças a uma "conjuntura perfeita que incluiu grandes projetos no México, na Alemanha para a BMW, e cá, com a produção do novo modelo da Volkswagen" -, a Introsys tem entre os seus clientes gigantes mundiais. "95% do nosso volume de projetos vai para o mercado alemão", concretiza Nuno Flores. E serve sobretudo a indústria automóvel e a aeronáutica em praticamente todo o mundo, a partir das filiais que abriu em Portugal, na Índia e no México. Líder de mercado e tendo arrancado com a internacionalização apenas dois anos depois de abrir portas, rapidamente se tornou numa referência e revolucionou a área dos sistemas de controlo robotizados.

Claro que este não foi um caminho isento de dificuldades. "As principais decorreram de, em 2002, Portugal ser ainda pouco conhecido - não havia Web Summit, não estávamos no mapa - e a engenharia portuguesa não ser uma referência a nível internacional", conta Nuno Flores. "A chancela da qualidade foi uma batalha travada projeto a projeto e para trabalharmos para um mercado tão exigente e protecionista como é o alemão tivemos de nos germanizar e responder aos desafios do crescimento." Às dificuldades que ainda surgem, responde "provando o valor da Introsys ano após ano". E é por isso que, questionado sobre que conselhos daria a outros empresários inovadores que estejam a arrancar, o fundador simplifica o que admite ser complexo: "Boas práticas e bons princípios simplificam o caminho. E é preciso mantermo-nos curiosos, estender a curiosidade que nos permite sermos inovadores nos serviços, nos processos, na forma de olhar para a qualidade, a segurança, até a saúde dos trabalhadores. Esta comichão pela descoberta de soluções mais eficientes é essencial para nos adaptarmos ao novo mundo."

Consciente de que a inovação é o único caminho para a diferenciação numa economia global com contornos competitivos predatórios, Nuno Flores deixa ainda um elogio aos recursos humanos altamente qualificados que saem das universidades e empresas portuguesas. "Dada a dimensão da Introsys e o facto de servir um mercado global, não podemos garantir todas as nossas necessidades com quadros portugueses, mas há aqui pessoas muito capazes. Os engenheiros portugueses estão ao nível dos melhores do mundo e as nossas universidades são verdadeiras fábricas de produção de talentos com excelentes resultados."

Quanto ao futuro, Nuno Flores traça planos para a Introsys: "Manter a busca pelos caminhos do conhecimento e da inovação para continuar a criar valor e a projetar o nome da empresa e do país no mundo."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.

Premium

nuno camarneiro

Males por bem

Em 2012 uma tempestade atingiu Portugal, eu, que morava na praia da Barra, fiquei sem luz nem água e durante dois dias acompanhei o senhor Clemente (reformado, anjo-da-guarda e dançarino de salão) fixando telhados com sacos de areia, trancando janelas de apartamentos de férias e prendendo os contentores para que não abalroassem automóveis na via pública. Há dois anos, o prédio onde moro sofreu um entupimento do sistema de saneamento e pude assistir ao inferno sético que lentamente me invadiu o pátio e os pesadelos. Os moradores vieram em meu socorro e em pouco tempo (e muito dinheiro) lá conseguimos que um piquete de canalizadores nos exorcizasse de todo mal.

Premium

João Gobern

Há pessoas estranhas. E depois há David Lynch

Ganha-se balanço para o livro - Espaço para Sonhar, coassinado por David Lynch e Kristine McKenna, ed. Elsinore - em nome das melhores recordações, como Blue Velvet (Veludo Azul) ou Mulholland Drive, como essa singular série de TV, com princípio e sempre sem fim, que é Twin Peaks. Ou até em função de "objetos" estranhos e ainda à procura de descodificação definitiva, como Eraserhead ou Inland Empire, manifestos da peculiaridade do cineasta e criador biografado. Um dos primeiros elogios que ganha corpo é de que este longo percurso, dividido entre o relato clássico construído sobretudo a partir de entrevistas a terceiros próximos e envolvidos, por um lado, e as memórias do próprio David Lynch, por outro, nunca se torna pesado, fastidioso ou redundante - algo que merece ser sublinhado se pensarmos que se trata de um volume de 700 páginas, que acompanha o "visado" desde a infância até aos dias de hoje.