Revendedores aguardam informação sobre descontos no gasóleo nas fronteiras

"Fomos apanhados de surpresa e estamos ainda a estudar a questão", diz o presidente da Associação Nacional de Revendedores de Combustíveis

A Associação Nacional de Revendedores de Combustíveis (ANAREC) disse hoje à Lusa que aguarda informação oficial sobre a introdução de descontos nos combustíveis em postos de gasolina em zonas froenteiriças, remetendo para quarta-feira uma tomada de posição.

"O Governo não nos disse nada. Nós ainda não dialogamos com ninguém, fomos apanhados de surpresa e estamos ainda a estudar a questão", disse à Lusa António Costa, presidente da ANAREC.

"Decidimos que, neste momento, não há muito a falar. Temos de perceber muito bem tudo isto e remetemos para amanhã [quarta-feira] a nossa tomada de posição" sublinhou o responsável pela associação, acrescentando que vai reunir-se ainda hoje para analisar a decisão do Governo.

Na segunda-feira, o ministro Adjunto, Eduardo Cabrita disse à Lusa que o executivo vai criar descontos para as transportadoras de mercadorias em postos de gasolina em três zonas de fronteira com Espanha e nas antigas SCUT do interior.

No final de uma reunião com duas associações que representam as empresas de transporte de mercadorias (a ANTRAM e a ANTP), Eduardo Cabrita disse que foi analisada a evolução dos preços dos combustíveis, tendo em conta uma primeira atualização do Imposto Sobre os Produtos Petrolíferos (ISP) em maio, adiantando que "se fosse hoje, haveria uma descida", mas que será feita uma avaliação "nas próximas semanas.

Entretanto, a Associação Nacional das Transportadoras Portuguesas (ANTP) considerou hoje "uma pequena vitória" a criação de descontos nos combustíveis para os veículos de mercadorias em postos de gasolina em três zonas de fronteira com Espanha e nas antigas SCUT do interior.

"É uma pequena vitória daquilo que os transportadores sempre quiseram", disse hoje à Lusa Márcio Lopes, presidente da Associação Nacional das Transportadoras Portuguesas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.