Reunião para discutir novos despedimentos no Novo Banco

Comissão de Trabalhadores e Administração discutem redução de mais 500 postos de trabalho

A Comissão Nacional de Trabalhadores (CNT) do Novo Banco reúne-se hoje com a administração devido às notícias que apontam para a possibilidade de haver um novo processo de despedimentos, que pode chegar às 500 pessoas.

"A reunião está confirmada para a próxima segunda-feira, às 14:30", disse na sexta-feira à agência Lusa Rui Geraldes, porta-voz da estrutura que representa os trabalhadores do Novo Banco.

O responsável assumiu a preocupação da CNT face à notícia avançada pelo Jornal de Negócios, que indica que a Comissão Europeia impôs novos remédios ao Novo Banco quando, em dezembro do ano passado, foram estendidas as garantias estatais e a data limite para a sua venda até agosto de 2017.

Um desses remédios é a redução de mais 500 postos de trabalho, depois de já ter havido um corte do quadro de pessoal de 1.000 pessoas, caso o Novo Banco não seja vendido até ao final do ano.

"Acabamos de sair de um despedimento de 1.000 pessoas e vivemos uma situação muito dolorosa", salientou Rui Geraldes, acrescentando que "é muito complicado trabalhar num clima de indefinição há já dois anos".

Na sexta-feira, o responsável disse que só depois de a CNT se reunir com a equipa de gestão do banco liderado por António Ramalho, será possível adiantar mais informação relativamente a esta matéria, até porque a mesma não era do conhecimento da entidade até ser noticiada.

O Novo Banco - o banco de transição que resultou do resgate ao Banco Espírito Santo (BES) - está atualmente em processo de venda, sendo que o Banco de Portugal recebeu quatro propostas de aquisição: dos fundos Apollo/Centerbridge e Lone Star e dos bancos BCP e BPI.

Este é o segundo processo de venda do Novo Banco, depois de o Banco de Portugal ter considerado que, durante o primeiro processo, suspenso em setembro do ano passado, nenhuma proposta era interessante.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Saúde

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

Há empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".