Rendas de casas na periferia subiram 200 euros desde 2009

A maioria opta pelos arredores porque não consegue suportar os preços nas grandes cidades. Mas há quem vá por opção

Nas cidades à volta de Lisboa e do Porto o valor das rendas marca bem o período do antes e do pós-crise. Com as rendas das grandes cidades em níveis fora do alcance da bolsa da generalidade dos portugueses, a procura virou-se para os arredores, mas também aqui os preços já não são o que eram. Se em 2009 era possível encontrar um T2 por 300 euros, agora são necessários 500. No Grande Porto o panorama é idêntico e a renda média aumentou perto de 200 euros.

Médias à parte, a saga de Sofia Fernandes na procura de um apartamento T2 à volta de Lisboa para arrendar é reveladora de como os preços têm subido. E de como este processo facilmente se pode transformar numa espécie de competição. Desde que avançou para o terreno, há cerca de um ano, já viu um bocadinho de tudo: rendas de 700 e 800 euros por um T2 na Amadora, "com dois ou três meses de caução, mais a renda da entrada e fiador"; ou mil euros por um T3 em Carnaxide - com opção de usar apenas um quarto por 400 euros.

Por este motivo, e por Lisboa não ser uma opção - "não vale a pena o custo de uma renda na capital para quem, como eu, trabalha no Cacém" -, quando se deparou com uma casa por 550 euros em Algés, Sofia correu para o telefone. "A senhoria disse-me que recebeu entre 50 e 70 chamadas por dia nos dois em que o anúncio esteve disponível", contou ao DN/Dinheiro Vivo. Apesar da competição, Sofia ainda teve esperança de conseguir a casa, já que lhe foi pedida documentação, IRS, recibos, fiador. "Mas no fim disse-nos que tinha escolhido outra pessoa", conta Sofia, que já viu casas "com cozinhas em que falta tudo e pelas quais se pede preços incríveis".

Ricardo Sousa, administrador da Century 21 Portugal, acompanha a subida de rendas que se tem vindo a verificar e acentua que o movimento é "transversal", pois não se limita às cidades de Lisboa e do Porto. O problema, refere, é o mesmo que tem feito subir os valores de venda: a falta de oferta, que se sente ainda mais no arrendamento. Esta situação leva a que na rede desta imobiliária os imóveis nem cheguem a ficar visíveis no site: vão diretamente para os clientes em espera. "Uma renda de 800 euros em alguns locais à volta de Lisboa era impensável há uns anos, mas agora também estas zonas estão mais dinâmicas e os preços subiram."

Este movimento nas periferias não escapou a Luís Lima, mas o presidente da Associação Portuguesa das Empresas de Mediação Imobiliária (APEMIP) salienta que, ao contrário do que sucede no Porto e em Lisboa, nos arredores há ainda algum desfasamento entre os valores pedidos e os concretizados (ver entrevista ao lado). Os cálculos da Century 21 indicam que em 2009 o valor médio das rendas à volta de Lisboa avançou cerca de 200 euros. À volta do Porto o acréscimo foi da mesma ordem de grandeza, segundo indicam os dados do Imovirtual.

O índice Confidencial Imobiliário (Ci) é igualmente revelador do dinamismo do mercado. Na cidade de Lisboa, a variação homóloga de preços chegou ao final de 2016 a somar 12 trimestres consecutivos de subida. No Porto, as rendas sentiram um forte impulso a partir de meados do ano e a nível nacional as rendas registaram, na reta final do ano passado, a maior variação homóloga desde o início de 2011 (ver infografia).

Esta subida de preços (que acompanha também as vendas) não prenuncia nenhuma bolha, afirma Luís Lima, e esta é também a opinião de Ricardo Sousa. Porque os bancos são hoje muito mais rigorosos na concessão de crédito e há muitos estrangeiros a comprar.

Eric van Leuven, managing partner da Cushman & Wakefield em Portugal, faz a mesma leitura em relação ao setor do comércio e serviços. Antes da crise era comum as empresas pedirem financiamentos até 90% para investir, agora o crédito ronda os 50%, referiu ao DN/Dinheiro Vivo. Além disso, os investidores têm agora muitas nacionalidades, o que também afasta o mercado do perfil que se viu antes do rebentar da crise económica.

Ler mais

Exclusivos

Adolfo Mesquita Nunes

Premium Derrotar Le Pen

Marine Le Pen não cativou mais de dez milhões de franceses, nem alguns milhões mais pela Europa fora, por ter sido estrela de conferências ou por ser visita das elites intelectuais, sociais ou económicas. Pelo contrário, Le Pen seduz milhões de pessoas por ter sido excluída desse mundo: é nesse pressuposto, com essa medalha, que consegue chegar a todos aqueles que, na sequência de uma crise internacional e na vertigem de uma nova economia digital, se sentem excluídos, a ficar para trás, sem oportunidades.

Adolfo Mesquita Nunes

Premium Derrotar Le Pen

Marine Le Pen não cativou mais de dez milhões de franceses, nem alguns milhões mais pela Europa fora, por ter sido estrela de conferências ou por ser visita das elites intelectuais, sociais ou económicas. Pelo contrário, Le Pen seduz milhões de pessoas por ter sido excluída desse mundo: é nesse pressuposto, com essa medalha, que consegue chegar a todos aqueles que, na sequência de uma crise internacional e na vertigem de uma nova economia digital, se sentem excluídos, a ficar para trás, sem oportunidades.

João Taborda da Gama

Premium Temos tempo

Achamos que temos tempo mas tempo é a única coisa que não temos. E o tempo muda a relação que temos com o tempo. Começamos por não querer dormir, passamos a só querer dormir, e por fim a não conseguir dormir ou simplesmente a não dormir, antes de passarmos o resto do tempo a dormir, a dormir com os peixes. A última fase pode conjugar noites claras e tardes escuras, longas sestas de dia com um dormitar de noite. Disse-me um dia o meu barbeiro que os velhotes passam a noite acordados para não morrerem de noite, e se ele disse é porque é.

João Taborda da Gama

Premium Temos tempo

Achamos que temos tempo mas tempo é a única coisa que não temos. E o tempo muda a relação que temos com o tempo. Começamos por não querer dormir, passamos a só querer dormir, e por fim a não conseguir dormir ou simplesmente a não dormir, antes de passarmos o resto do tempo a dormir, a dormir com os peixes. A última fase pode conjugar noites claras e tardes escuras, longas sestas de dia com um dormitar de noite. Disse-me um dia o meu barbeiro que os velhotes passam a noite acordados para não morrerem de noite, e se ele disse é porque é.