Refeições escolares: desconto igual no IRS para público e privado

Orçamento de 2017 vai ter solução que garante tratamento semelhante no IRS a pais com filhos em escolas públicas ou privadas

A diferença de tratamento fiscal nas despesas com refeições e transportes escolares que muitos pais sentiram neste ano quando preencheram a sua declaração do IRS vai acabar em 2017. Estes gastos passarão a ser dedutíveis de igual forma para todos, independentemente de os serviços serem fornecidos por escolas privadas ou públicas ou através do recurso a empresas.

A mudança vai ser feita já no Orçamento do Estado para 2017, garantiu ontem Rocha Andrade, secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, em declarações ao DN/Dinheiro Vivo. O objetivo é corrigir um problema criado com a reforma do IRS e que acabou por originar várias queixas de contribuintes e intervenções do provedor de Justiça. Fernando Rocha Andrade adiantou que a solução está ainda a ser avaliada, mas o que vier a ser decidido resultará num tratamento uniforme para todos os agregados.

"O tratamento das refeições escolares é uma das questões que têm de ser resolvidas", afirmou o governante, à margem da conferência "Por uma melhor justiça tributária", organizada pela Ordem dos Contabilistas Certificados (OCC). A ideia é mexer pouco no imposto que foi alvo de uma recente reforma, de forma a dar-lhe estabilidade, pelo que o OE 2017 trará "poucas mudanças". A promessa de estabilidade vai ao encontro da mensagem frequentemente ouvida junto de agentes económicos, contabilistas e fiscalistas.

Com a reforma do IRS, que entrou em vigor em janeiro de 2015, mas mostrou muitos dos seus efeitos práticos nesta última declaração do IRS, o fisco passou apenas a considerar como dedução de educação os gastos com alimentação, transporte e alojamento escolar quando a entidade que passa as faturas tem código de atividade económica (CAE) de educação e se os produtos e serviços estiverem isentos ou taxa reduzida de IVA.

Estas duas condições são possíveis quando estes serviços são fornecidos ou faturados através da escola (o que sucede com a generalidade dos colégios privados e algumas escolas públicas), mas deixam de fora os agregados com dependentes em escolas públicas onde as refeições ou transportes são fornecidos e faturados por empresas externas. E, mesmo que estas tenham criado um CAE de educação, não conseguem cumprir o requisito do IVA. Resultado: os gastos são considerados como despesa geral familiar ou classificados da mesma forma que o benefício fiscal das faturas dos restaurantes. A diferença é grande: sendo educação são abatidos diretamente ao IRS 30% dos gastos até ao limite de 800 euros; como benefício, apenas abatem 15% do IVA suportado.

Outra das mudanças que arrancam em 2017 é o processo que irá dispensar os trabalhadores dependentes e pensionistas de entregar declaração de IRS. A aplicação da medida será faseada e neste primeiro ano vai abranger apenas contribuintes com características mais simples (solteiros e sem dependentes, por exemplo). Os critérios para ver quem avança primeiro estão ainda a ser analisados.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)