Rácio de crédito problemático nos bancos portugueses baixou para 12,41% em março

O crédito problemático nos bancos portugueses era em março de 12,41% do total de empréstimos, abaixo dos 12,96% de dezembro, mas o triplo dos 4,64% da média da zona euro, segundo dados do BCE.

O crédito problemático nos bancos portugueses era em março de 12,41% do total de empréstimos, abaixo dos 12,96% de dezembro, mas o triplo dos 4,64% da média da zona euro, segundo dados do BCE.

A instituição sediada em Frankfurt divulgou na quarta-feira que o rácio de crédito problemático na zona euro era de 4,64% no final do primeiro trimestre, abaixo dos 4,83% de dezembro e dos 6,23% de março de 2017.

Já para Portugal, os dados provisionais do Banco Central Europeu (BCE) indicam que o rácio de crédito problemático era de 12,405%, abaixo dos 12,961% de dezembro e dos 16,121% de março de 2017.

A nível europeu há uma discussão na Autoridade Bancária Europeia sobre penalizar os bancos com rácio de crédito malparado acima de 5%, o que já motivou a oposição da Associação Portuguesa de Bancos (APB).

Em junho, a associação que representa os bancos que operam em Portugal considerou que “não existe fundamento económico” para distinguir bancos com crédito malparado abaixo ou acima de 5% do crédito total, considerando que não há “qualquer estudo que determine que é a partir deste nível de rácio de NPL [sigla em inglês para ‘non-performing loans’ ou crédito malparado] que haverá um impacto na estabilidade financeira e na capacidade de financiamento à economia”.

A APB contesta mesmo a escolha de crédito malparado como “elemento diferenciado”, considerando que há ainda que “levar em conta fatores de mitigação de risco”, como os níveis de cobertura do crédito em incumprimento e o valor dos colaterais, o que diz que assume “particular relevância” nos bancos portugueses.

“Por outro lado, a opção pelo rácio penaliza os bancos que têm vindo a fazer um esforço de desalavancagem, como é o caso do setor bancário português. A redução do montante de NPL não é adequadamente refletida pelo rácio quando esta ocorre num contexto de redução do crédito total”, considera a entidade liderada por Faria de Oliveira.

A APB pediu ainda que as medidas a serem tomadas pela Autoridade Bancária Europeia (EBA na sigla em inglês) tenham em consideração as diferenças entre os sistemas bancários de cada país da União Europeia, caso da existência ou não de um mercado que possibilite a venda de carteiras de crédito malparado.

Além disso, avisou, a imposição de uma redução acelerada de malparado iria levar à “venda de tais ativos a preços abaixo do seu valor económico”, o que significaria a destruição de capital e transferência desse valor para investidores estrangeiros.

Leia mais em Dinheiro Vivo a sua marca de economia

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.