Quase 100 mil pastéis de nata e muitos quilómetros de cabos de fibra

Os números da Web Summit

Durante os três dias da Web Summit, mais de 1300 investidores estiveram em Lisboa, foram comidos 97 mil pastéis de nata e os pavilhões estiveram sempre cheiros. No final da conferência internacional de tecnologia, e feitas as contas, pode perceber-se que o evento foi o sucesso que os portugueses esperavam - e queriam - que fosse.

Segundo os números da organização, a Web Summit, que este ano se realizou pela primeira vez em Lisboa, juntou milhares de visitantes e oradores, mais precisamente 53,056 pessoas vindas de 166 países. E mais de quatro milhões de pessoas que não puderam vir ao evento assistiram às conferências ao vivo pelo Facebook.

Foram necessários 37 mil quilómetros de cabos de fibra ótica para alimentar o evento, o que equivaleria a subir uma montanha quatro vezes mais alta que o Evereste com o cabo na mão.

E os pavilhões estiveram sempre cheios, maioritariamente de jovens.

Foram apresentadas ideias e soluções sobre agricultura, inteligência artificial, jogos, desporto, vendas, cidades, transportes, segurança, água, empregos e relações sociais.

Mais de 1300 dos mais influentes investidores em tecnologia estiveram na capital portuguesa, assim como 667 oradores. Do lado dos empreendedores, estiveram no evento 1490 empresas startup para apresentar ideias e pedir apoios. As sessões de aconselhamento e conversas entre investidores e empreendedores acumularam cerca de 650 horas. Centenas de startups juntaram-se ainda aos vários programas de apoio da Web Summit.

A partir da aplicação da Web Summit, foram enviadas 1,835,841 mensagens e o tempo médio de utilização desta aplicação foi de 12:26 minutos.

No Facebook, a organização deixou um vídeo dos melhores momentos em Lisboa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...