Privados acusam nova tabela da ADSE de ter "erros e imprecisões"

Associação Portuguesa de Hospitalização Privada diz que não existe acordo em alguns atos praticados no âmbito da oftalmologia, cardiologia e no recurso ao médico especialista através da urgência

A nova tabela de preços que a ADSE pretende pagar aos operadores foi publicada pelo subsistema de saúde dos funcionários públicos, mas os privados consideram que tem "erros e imprecisões" e esperam que ainda vá ser corrigida.

Inicialmente prevista para entrar em vigor a 01 de março, a nova tabela de preços tem sido objeto de negociação entre a ADSE e os operadores privados, representados pela Associação Portuguesa de Hospitalização Privada (APHP), após uma proposta inicial ter sido recusada pelos convencionados. Com o objetivo de entrar em vigor a 01 de abril deste ano, a nova tabela foi agora publicada no site institucional da ADSE.

Ao tomar conhecimento desta divulgação, a APHP emitiu um comunicado, no qual afirma que a mesma "contém erros e imprecisões que carecem de revisão nos próximos dias".

Os operadores privados reiteram "a necessidade de rever as temáticas que não foram objeto de negociação ou sobre as quais já havia sido manifestado um desacordo de princípio por parte dos hospitais privados".

"Cumprindo-se os princípios estabelecidos, haverá condições para encerrar adequadamente este processo negocial", lê-se no comunicado.

Fonte da APHP disse à agência Lusa que não existe acordo em alguns atos praticados no âmbito da oftalmologia, cardiologia e no recurso ao médico especialista através da urgência.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.