Prestação da casa indexada à Euribor a 6 meses desce em dezembro

Cálculos feitos pela Deco/Dinheiro&Direitos mostram que um cliente com um empréstimo no valor de 150 mil euros a 30 anos pagará menos 1,55 euros do que pagava antes

Os clientes com crédito à habitação indexado à Euribor a seis meses vão voltar a pagar menos em dezembro e os com crédito à habitação a três meses vão manter o valor da prestação.

Segundo os cálculos feitos para a agência Lusa pela Deco/Dinheiro&Direitos, um cliente com um empréstimo no valor de 150 mil euros a 30 anos, indexado à Euribor a seis meses com um 'spread' (margem de lucro do banco) de 1%, vai passar a pagar 463,81 euros a partir de dezembro, menos 1,55 euros do que o que pagava desde a última revisão, em junho.

No caso de um empréstimo nas mesmas condições, mas indexado à Euribor a três meses, o cliente mantém o valor da prestação nos 460,13 euros a partir do próximo mês, um valor igual à última revisão, em setembro.

Desde o final de 2015 que as taxas Euribor negoceiam em valores negativos, com as prestações da casa a cair de forma praticamente constante.

Em Portugal, 90% dos contratos de crédito à habitação usam taxa de juro variável, sendo a Euribor a seis meses o indexante mais usado, seguido da taxa a três meses.

As Euribor são fixadas pela média das taxas às quais um conjunto de mais de 50 bancos da zona euro está disposto a emprestar dinheiro entre si no mercado interbancário. Em Portugal, a Caixa Geral de Depósitos faz parte deste painel.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.