Fernando Medina propõe baixa no preço dos transportes públicos

O custo máximo do passe proposto pelo presidente da Câmara Municipal de Lisboa é o de 30 euros por mês dentro da cidade e de 40 euros para circular nos 18 municípios da Área Metropolitana de Lisboa

O presidente da Câmara Municipal de Lisboa defende uma redução no preço dos transportes públicos da Área Metropolitana de Lisboa (AML), limitando o passe social a 40 euros por mês, disse numa entrevista ao Expresso.

A proposta para um novo sistema de passes, que, segundo Fernando Medina, já foi entregue ao Governo, para ser incluída no próximo Orçamento de Estado, tem um custo estimado de 65 milhões de euros por ano.

O custo máximo do passe proposto por Fernando Medina é o de 30 euros por mês dentro da cidade e de 40 euros para circular nos 18 municípios da AML.

Ao Expresso, conta também que não falou nem com PCP nem com Bloco para garantir apoio nesta negociação, mas defende tratar-se de uma "proposta verdadeiramente transformadora do sistema de mobilidade em Lisboa", que responde a "um problema central do país".

O autarca defende que uma das razões para os cidadãos optarem pelo transporte individual é a falta de resposta do sistema público de transportes, e aponta ainda uma possível fonte de financiamento para esta alteração nos transportes.

"Não é uma melhor resposta aos problemas estruturais do país aprovar esta transformação da utilização do sistema público de transportes do que reduzir uns sentimos do adicional ao imposto sobre combustíveis (ISP), que porventura nem sequer vai ser sentido no bolso de ninguém", questionou Fernando Medina.

Na sua opinião, a resposta tem de ser um sistema que abranja toda a AML e a preços convidativos, para incentivar a utilização dos transportes públicos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...