Preços dos combustíveis voltam a subir pela terceira semana consecutiva

Variação deve ser sentida nos postos das principais gasolineiras e das chamadas marcas brancas

Abastecer o depósito volta a ficar mais caro, na próxima segunda-feira, pela terceira semana consecutiva. Na última quinzena de agosto, o gasóleo e a gasolina já subiram, respetivamente, 4,5 e três cêntimos por litro.

"A tendência é de subida em todos os produtos, com uma ligeira acentuação nas gasolinas", explicaram fontes do sector ao Económico. "A evolução das cotações em euros aponta para uma subida dos preços da gasolina até um cêntimo por litro, enquanto o gasóleo deverá subir meio cêntimo", adiantou outra fonte ao mesmo jornal.

A variação dos preços deve ser sentida tanto nas bombas das principais gasolineiras como nos postos das chamadas marcas brancas (geralmente, associadas a preços mais baixos.) A ligeira subida das cotações da gasolina e do gasóleo nos mercados internacionais, assim como a desvalorização do euro face ao dólar (moeda em que é negociada a matéria-prima) justificam esta tendência.

Atualmente, o preço de referência do litro de gasolina em Portugal está nos 1,443 euros e do gasóleo nos 1,204 euros (embora as cotações variem de acordo com o nível de concorrência, oferta, procura e custos fixos dos postos de abastecimento.)

O preço médio da gasolina 95 octanas praticado em Portugal, depois dos impostos, é o sexto mais caro da União Europeia. Segundo o último relatório de Bruxelas, o gasóleo ocupa a nona posição.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.