Portugueses poupam metade da prestação da casa desde a troika

Com as taxas de juro a bater mínimos históricos, quem contratou crédito em 2011 está neste momento a pagar menos 50% em relação à primeira prestação.

Em 2011, não era fácil comprar casa em Portugal recorrendo à banca. Nesse ano, a troika entrou no país, com um programa apertado de ajuda financeira e as instituições bancárias apertaram os cordões à bolsa do crédito e só emprestavam dinheiro com spreads altos, à volta dos 3% ou 4%. O motivo para avançar para um crédito à habitação tinha de ser forte.

"No meu caso foi porque me apareceu uma excelente oportunidade. Eu percebi que ia ser um mau negócio com o banco, mas o valor da casa compensava e avancei. Até porque o crédito podia ser renegociado mais tarde", conta João Pedro Machado, que, no final de 2011, decidiu comprar um apartamento em Entrecampos, Lisboa. Pediu um empréstimo de 161 mil euros, a 40 anos, ofereceram-lhe um spread de 3% e a Euribor estava a 1,505%. Na primeira prestação pagou 746,75 euros.

Hoje tem a certeza de que tomou a decisão certa. Com um spread de 1,75% e a Euribor a 12 meses a 0,152% negativos, está a pagar 475,09euro euros, menos 57,2% do que a primeira prestação. "Nestes quase seis anos fiz uma renegociação de crédito e mudei de banco e já estou a pensar fazer outra. Estou à espera de uma resposta do Santander Totta e ainda vou também pedir uma proposta ao Banco CTT."

Na simulação que a plataforma ComparaJá fez para o DN/Dinheiro Vivo, tendo em conta um empréstimo de 200 mil euros, a 30 anos, os portugueses conseguiram poupar na mensalidade ao banco, de junho de 2011 a junho de 2017, qualquer coisa como 412euro euros. No verão em que a troika entrou no país, o spread médio era 3,2% e a Euribor a 12 meses estava nos 2,137%; atualmente, os contratos de crédito à habitação têm spreads de 1,76% e o indexante está a -0,127%. Ou seja, para o mesmo financiamento, um comprador pagaria ao banco no final do contrato um total de 416 952 euros com os valores de 2011; com os contratos atuais, o montante total imputado ao consumidor é de 268 581 euros, cerca de 150 mil euros mais barato. É claro que, com 200 mil euros, compra-se hoje uma casa mais modesta do que há seis anos.

"O spread e a Euribor são dois fatores muito determinantes no custo de um crédito à habitação", explica Sérgio Pereira, diretor-geral da ComparaJá. "No pico da crise, a Euribor estava bastante mais alta, dada a incerteza nos mercados e a banca atravessava uma altura difícil e, por isso, punha os spreads altos para contrapor os riscos adicionais. Hoje em dia, o BCE tem estado a diminuir os juros para incentivar a economia. As taxas continuam a descer, até porque, apesar da retoma, ainda há muita incerteza política. Isso reflete-se depois numa diminuição no encargo mensal dos consumidores e no aumento do dinheiro disponível para as famílias." José Correia, gestor da corretora XTB, concorda e acredita que os juros podem cair ainda mais. "As Euribor podem descer indefinidamente, mas dependem do contexto macroeconómico e da estratégia do BCE ." Contudo, mesmo que os juros ainda fiquem mais baixos, um dia voltarão a subir, lembra.

Os bancos parecem um pouco mais cautelosos: nos primeiros quatro meses do ano, concederam 2339 milhões de euros para compra de casa, mais 45% do que há um ano. Mas em abril já começaram a apertar de novo a torneira do crédito.

"Muita coisa pode acontecer nos próximos cinco anos. É importante avisar, sobretudo quem está a contratar agora novos créditos com estes juros tão baixos, que quando as taxas subirem as prestações vão ficar mais caras. É preciso fazer cálculos para saber se vão conseguir pagar", alerta Sérgio Pereira.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.